Agendas da ITGA buscam apoio efetivo aos produtores de tabaco, em Genebra

Tabaco

Agendas da ITGA buscam apoio efetivo aos produtores de tabaco, em Genebra

Encontros buscam assistência na diversificação das lavouras de todo mundo
Por:
67 acessos

Paralelo à Conferência das Partes da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco (COP 8), em Genebra, na Suíça, ocorre uma agenda intensa em defesa dos produtores de tabaco de todo mundo, junto a organizações ligadas às Nações Unidas.

A Associação Internacional dos Produtores de Tabaco (ITGA, sigla em inglês), cumpre uma série de encontros para intermediar, sobretudo, apoio à diversificação. Na cidade das organizações mundiais, a maratona de encontros que vem sendo acompanhada de perto pela Associação de Fumicultores do Brasil (Afubra), segue, nesta sexta-feira, no Banco Mundial. A ITGA buscará incentivar a criação de programas de desenvolvimento que apoiem a diversificação de culturas.

A primeira agenda da semana ocorreu na sede da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, a FAO, onde o grupo foi pedir apoio aos fumicultores para enfrentar, segundo a entidade internacional, "a constatada redução de demanda por tabaco"gerada pelas ações antitabagistas e também pela entrada no mercado de novos produtos de tabaco.

Segundo o presidente da ITGA, o norte-americano Daniel Green, há um atraso histórico no processo de diversificação, mas é preciso recursos para implementar medidas e pesquisa. "Precisamos da cooperação da FAO. Pedimos, inclusive, que os agrônomos da FAO nos ajudem a encontrar alternativas viáveis", observou durante a coletiva concedida para jornalistas brasileiros que acompanham a agenda na Suíça.

As lideranças da associação criticaram, também, as ações da FCTC (sigla em inglês da Convenção-Quadro para Controle do Tabaco), que, segundo eles, vem tentando excluir o setor do tabaco de qualquer relação com as organizações das Nações Unidas. "NA COP falam em apoio a diversificação mas, na verdade, querem dizer conversão", afirma o secretário da Afubra, Romeu Schneider.

De acordo com o chefe-executivo da ITGA, Antônio Abrunhosa, a Associação deveria ser convidada a discutir na COP as alternativas ao plantio do tabaco, pois é uma entidade que "sabe como ninguém como diversificar." "Neste momento, enquanto a própria indústria está se diversificando e assegurando novos produtos para seus portfólios para acabar com a fumaça, como fica o produtor que ainda não tem uma alternativa viável?", questiona.

Trabalho

Uma das agendas da ITGA foi cumprida nesta quinta-feira, 4, na sede da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que assim como a FAO, também faz parte das Nações Unidas. 

A entidade buscou informações sobre o pedido da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, que busca excluir as contribuições da indústria do tabaco para a execução de programas de combate ao trabalho infantil. "Hoje a OIT é um braço muito importante na proteção do trabalho. Esta decisão de excluir a indústria do tabaco já foi adiada duas vezes. Fomos reforçar o pedido para que esse pedido não seja acatado", explica Abrunhosa.

Redução da demanda por tabaco é inevitável, diz ITGA

Para a Associação Internacional dos Produtores de Tabaco, a ITGA, a redução da demanda por tabaco em folha é inevitável. As lideranças da entidade acreditam que, com os novos produtos, seja utilizado, pelo menos, um terço a menos de tabaco. 

Enquanto no Brasil, segundo a Afubra, o plantio de tabaco corresponde, em média, 53% do ganho das propriedades que cultivam a planta, em outros países a situação é preocupante. É o caso do Malawi, país africano, que tem mais de 60% do PIB dependente do tabaco. "Lá não tem orçamento nem para a saúde sem o tabaco", revela Antonio Abrunhosa.

Preocupados com o país africano, membros de uma associação de produtores do Malawi buscou aconselhar-se com a ITGA sobre a ratificação ou não da Convenção-Quadro. O encontro ocorreu nesta quinta-feira, 4, em Genebra. Na oportunidade, a associação internacional defendeu a ratificação, para que a Conferência das Partes tenha mais um país produtor defendendo a causa da diversificação e outras demandas, especialmente econômicas.

AInda segundo a ITGA, há três anos vem ocorrendo a redução da produção mundial, quando a China, um dos maiores mercados mundiais, passou a baixar a produção.

A assembleia geral anual da ITGA está agendada para ocorrer nos dias 22 e 23 de outubro, em Santa Cruz do Sul. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink