Agricultores cearenses aprendem a usar estrume na plantação

Agronegócio

Agricultores cearenses aprendem a usar estrume na plantação

Técnica recupera áreas degradadas e melhora a produtividade
Por:
286 acessos
Agricultores do município de Independência (CE)são incentivados a aproveitar melhor o estrume produzido pelas criações de gado, ovinos e caprinos. O projeto, chamado "Aduba Sertão", garante a recuperação de áreas degradadas e melhora a produtividade das lavouras.

Foi na Fazenda Realeza, em Independência que o "Aduba Sertão" começou. O rebanho de 180 mil cabeças de ovinos, caprinos e bovinos do lugar produzia uma quantidade enorme de esterco que até então era trocada por rapadura nos municípios da região.

Há quatro anos, a história mudou. Vendo o solo arenoso e desgastado, seu Edilson Coutinho resolveu usar o esterco dos animais em sua plantação. “Com a adubação orgânica chegamos a incrementar nossa produtividade de 1,7 mil quilos para 4,2 mil quilos por hectare”, disse.

Hoje, cento e vinte agricultores participam do "Aduba Sertão". O produtor se cadastra e a Secretaria de Agricultura faz de graça o transporte do esterco. Para cada hectare de terra são utilizadas cinco toneladas de adubo. Antes de ir para a plantação, é feito o processo de fermentação na esterqueira.

“Para que o adubo sai todo do chiqueiro e possa ir para a esterqueira para sofrer um período de quarentena. Nesse período ele vai matar todas as sementes de mato, de carrapicho e todas os vermes que saem do curral”, explicou o técnico agrícola Gilderlânio Lacerda.

Depois da quarentena, o esterco vira adubo natural. Os resultados colhidos são evidentes.

Aparentemente não dá para ver nenhuma diferença na plantação. Mas quando se compara o resultado das espigas deste ano da para ver que o esterco faz a diferença.

Nesta safra o seu Manoel Francisco Neto consorciou o milho com a mamona. A terra adubada garantiu o crescimento das culturas e o lucro do agricultor. “Eu achei muito grande a diferença depois que estamos adubando a terra. Primeiramente, eu tirava dez sacos de milho. Hoje, estou tirando cerca de 30 a 35 sacos no mesmo terreno”, disse.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink