Agricultura define regras para importação de “flor-da-fortuna”

Agronegócio

Agricultura define regras para importação de “flor-da-fortuna”

Legislação pretende evitar entrada de pragas já existentes na África do Sul
Por:
1866 acessos
Legislação pretende evitar entrada de pragas já existentes na África do Sul que não ocorrem no Brasil
 
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou nesta segunda-feira, 18 de abril, a norma que determina os requisitos fitossanitários para a importação de mudas sem raiz de Kalanchoe blossfeldiana da África do Sul. Trata-se de uma planta ornamental popularmente conhecida no Brasil como “flor-da-fortuna”, cultivada principalmente em residências.

As amostras deverão estar livres de restos vegetais, impurezas e material de solo, além de vir acompanhadas de certificado fitossanitário emitido pela Organização Nacional de Proteção Fitossanitária (ONPF) da África do Sul. O objetivo principal é impedir a possível entrada de quatro tipos de pragas que não existem no Brasil.

“São pragas que não ocorrem no Brasil, mas que podem se disseminar para outras plantas e causar grandes prejuízos. Por isso, é necessário fazer o tratamento na origem para minimizar riscos”, explica o chefe da Divisão de Análise de Risco de Pragas do Ministério da Agricultura, Jefé Leão Ribeiro.

Instrução Normativa nº 14 também determina que sejam especificadas informações sobre os produtos utilizados no tratamento da planta. Os exemplares importados serão inspecionados no ponto de ingresso no Brasil e terão amostras coletadas e enviadas para análise nos laboratórios oficias ou credenciados. Em caso de constatação de alguma praga, a ONPF do país de origem será comunicada e o órgão correspondente do Brasil poderá suspender as importações.

Saiba mais

A flor-da-fortuna pertence à família das crassuláceas e é originária da África. Trata-se de uma planta pequena – que alcança altura máxima de 30 centímetros – com flores coloridas e resistente ao calor.

O apelido vem de uma antiga lenda, na qual um anjo teria transformado moedas de ouro em uma planta exótica para não serem roubadas de uma menina. Desde então, a dona do tesouro passou a rezar e a fazer caridade em agradecimento. Quando ela morreu, uma planta de flores perfumadas nasceu de dentro do seu túmulo e foi batizada de flor-da-fortuna. Até hoje, a variedade é utilizada em simpatias para ganhar dinheiro e realizar casamentos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink