Agronegócio

Álcool hidratado sobe e já passa de R$ 1 por litro na usina

Demanda aquecida e oferta menor estão gerando uma alta expressiva nos preços
Por: -Inaê Riveras
1 acessos

O preço do álcool hidratado, usado nos veículos flexíveis, continuou a subir e ultrapassou nesta semana o patamar do R$ 1 por litro com impostos na usina, valor que não era registrado desde agosto, disseram corretores nesta quarta-feira (27-12).

Demanda aquecida e oferta menor estão gerando uma alta expressiva e rápida nos preços, que já começa a ser repassada ao consumidor. O centro-sul, que responde por mais de 85% da produção nacional de cana, está no período de entressafra, quando normalmente os preços sobem pela disponibilidade restrita.

"A demanda aumentou muito, por isso o preço está sofrendo esse reajuste", disse Ivan Bueno, da Mikz Corretora, que chegou a registrar negócios na tarde de terça-feira por R$ 1,03 o litro (com ICMS de 12 por cento). No fim da semana passada, o hidratado era negociado, segundo corretoras paulistas, por R$ 0,98 a R$ 0,99 o litro, já com uma alta considerável frente aos R$ 0,90 a R$ 0,93 da semana anterior.

"O hidratado vem subindo R$ 20 (por mil litros) a cada dia", observou Marcelo Andrade, diretor da Ecoflex Trading, que registrou negócios com hidratado na terça-feira por R$ 1 o litro em São Paulo, e por até R$ 1,02 no Paraná. "Muitas usinas não querem mais vender em dezembro, porque estão com expectativa de preços ainda maiores", disse Andrade, considerando, contudo, que os compradores devem "ficar atentos" no início de janeiro, já que os dados de estoques podem estar um pouco distorcidos.

Bueno, da Mikz, considera que há espaço para um aumento ainda maior já que a demanda está forte e as usinas, de modo geral, têm pouca necessidade de caixa nesta época do ano. Um outro corretor de São Paulo comentou que a recente recuperação dos preços do álcool nos EUA, que neste ano foi o principal destino do álcool brasileiro no exterior, também pode oferecer sustentação ao mercado brasileiro nos próximos meses.

Já o anidro, que é usado na mistura com a gasolina, segue "descolado" do hidratado, com valor estável nos últimos dias, segundo os corretores, na casa dos R$ 0,89 a R$ 0,90 o litro. Para as usinas, a venda do anidro ainda remunera mais, mas alguns corretores apostam que, se a diferença entre os dois produtos continuar a aumentar, muitas usinas vão acabar adicionando água ao anidro a partir de janeiro, para vendê-lo como hidratado.

A demanda gerada pelos veículos flexíveis, cuja frota já passa das 2 milhões de unidades, é a principal responsável pela valorização do hidratado. Após anos de retração, pelo sucateamento da frota de veículos a álcool, a demanda por hidratado subiu de modo expressivo na atual temporada (2006/07), em 1 bilhão de litros, conforme a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica).

Tal expansão acabou compensando uma queda de mesma dimensão registrada no consumo de anidro. A produção, por sua vez, também tendeu mais para o hidratado na atual safra do centro-sul, com expansão de 16,2% sobre a temporada 2005/06. No anidro, o crescimento foi de 5,9%, segundo dados divulgados na semana passada pela Unica.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink