Algodão transgênico pode “salvar” indústria têxtil

ÁFRICA

Algodão transgênico pode “salvar” indústria têxtil

A indústria têxtil da África vem sofrendo com a falta de matéria prima
Por: -Leonardo Gottems
538 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Os primeiros resultados dos testes de desempenho nacional (NPT) de algodão geneticamente modificado (GM) feitos pelos Serviços de Inspeção de Saúde Vegetal do Quênia (Kephis) indicam que o algodão transgênico pode “salvar” a indústria têxtil de um possível colapso. O estudo foi realizado em parceria com a Organização de Pesquisa Agrícola e Pecuária do Quênia (Kalro). 

O teste de desempenho foi feito após uma aprovação de liberação ambiental pela Autoridade Nacional de Biossegurança (NBA) em 2016, com base no certificado de aprovação de Avaliação de Impacto Ambiental e licença para testes de campo abertos emitidos em 2018. O progresso é um grande avanço para o Quênia, que fica atrás de outros países africanos na implantação da tecnologia Bt, apesar do enorme conhecimento em melhoramento de plantas resistente a insetos. 

O Quênia e a África do Sul iniciaram pesquisas e testes de culturas GM quase simultaneamente (Quênia em 2001, África do Sul 1998), mas o último tornou-se o primeiro país da África a lançar sua primeira safra comercial GM resistente a insetos (algodão Bollgard II), que foi adotado para produção comercial quatro anos depois, em 2002. Surpreendentemente, a adoção expandiu-se rapidamente após o primeiro lançamento comercial e, em 2001-2002, estimou-se que aproximadamente 90% dos agricultores estavam cultivando algodão Bt e agora são 100% Bt. 

De acordo com os pesquisadores, é altamente esperado que a adoção e comercialização do algodão Bt revitalize a indústria têxtil e, por extensão, contribua para o relançamento do setor algodoeiro e crie até 600.000 empregos em fazendas e fábricas de vestuário. O algodão Bt tem potencial para produzir 260.000 fardos de algodão por hectare anualmente, em comparação com nenhuma das variedades Bt, que se situam entre 28.000 e 30.000 fardos, o que representa cerca de 572 kg / ha contra um potencial de 2.500 kg / ha. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink