Alimentação permite identificar o cio em vacas
CI
Imagem: Eliza Maliszewski
ANTECEDÊNCIA

Alimentação permite identificar o cio em vacas

Comportamento alimentar permite identificação seis horas antes do período
Por: -Eliza Maliszewski

 Uma pesquisa realizada em Minas Gerais relacionou o comportamento alimentar das vacas a entrada no cio. A variação no consumo de água e alimentos em vacas leiteiras pode prever se o animal vai entrar em sua fase reprodutiva com até 6 horas de antecedência.

Com a descoberta o produtor pode ter mais efetividade no planejamento dentro da fazenda. “Sensores em cochos e bebedouros eletrônicos permitem identificar variações no consumo de alimento e água, causadas pela manifestação do estro (cio) em vacas leiteiras”, diz o pesquisador da Embrapa  Luiz Gustavo Ribeiro Pereira, que orientou as pesquisas

A mudança no comportamento alimentar das vacas, quando estão próximas de manifestar o cio, foi a base para o desenvolvimento de modelos computacionais no laboratório do professor João Dórea, da Universidade de Wisconsin. Segundo ele, esses modelos irão permitir a produção de sensores para a identificação precisa e acurada de cio nas fazendas leiteiras.

A ferramenta de pecuária de precisão baseou-se no fato de que no período de cio as vacas comem menos. Observações feitas no campo experimental da Embrapa em Coronel Pacheco (MG), avaliaram o comportamento. Foram dois ensaios com novilhas Holandês X Gir. A observação visual foi feita três vezes ao dia por 30 minutos (7h, meio-dia e 17h) enquanto o comportamento alimentar/hídrico das vacas era obtido por um sistema eletrônico de cochos e bebedouros. 

Durante a pesquisa, foram observados 99 eventos de estro. Duas séries temporais de sete dias foram coletadas: uma representando sete dias incluindo o dia do estro e a outra por sete dias sem evento de estro. Foram computados os consumos de alimento e água em intervalos de 6 horas. No dia do estro houve declínio de 25 a 35% no consumo em comparação com os dias anteriores.

A identificação do estro é um dos principais fatores responsáveis pela eficiência reprodutiva e que o desempenho reprodutivo ruim pode causar maior taxa de descarte de vacas e novilhas. “Mas, às vezes, o problema não é do animal, mas do observador, já que poucas vacas podem ser descritas como inférteis.” Dados apontam que cerca de 90% dos fatores para baixas taxas de detecção podem ser atribuídos ao manejo e apenas 10% à vaca”, destaca o autor do estudo, Frederico Correia Cairo.

O bom gerenciamento da reprodução do rebanho significa incrementar a produção e a lucratividade da atividade. “Para aumentar a eficiência de detecção do estro, o monitoramento automático do comportamento dos rebanhos leiteiros vem ganhando importância nos últimos anos”, lembra o autor da dissertação. Cairo argumenta que a observação visual permite índices de detecção que podem variar de 50% a 90%. No entanto, o monitoramento constante da atividade reprodutiva do rebanho nem sempre pode ser feito devido à rotina das propriedades.

“Os estudos envolvendo avaliação das variações que ocorrem em decorrência do estro são necessários para o desenvolvimento de algoritmos, que farão os sensores funcionarem, identificando as variações comportamentais relacionadas ao estro que sirvam de base para acionar alertas para a tomada de decisão”, conclui.

A pesquisa foi realizada na Embrapa Gado de Leite (MG), conduzida pelo mestrando em Zootecnia Frederico Correia Cairo, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Os estudos foram feitos em parceria com a Universidade de Wisconsin-Madison (Wisc), nos Estado Unidos, e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
 
.
 

 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink