Alta nos preços mundiais do arroz
CI
Imagem: Pixabay
MERCADO MUNDIAL

Alta nos preços mundiais do arroz

Em novembro, os preços mundiais do arroz aumentaram dentro de um mercado mais animado
Por:

Em novembro, os preços mundiais do arroz aumentaram dentro de um mercado mais animado,  principalmente graças às novas demandas de importação da China, Filipinas e Bangladesh. Este último, afetado pelas más condições climáticas na época da colheita em agosto, faria um retorno significativo ao mercado de importação em 2021, após dois anos de ausência. Essas novas demandas tendem a reforçar os preços, especialmente no Vietnã, onde a oferta é fraca. A Índia, por outro lado, continua a exportar massivamente e é o principal beneficiário da retomada da demanda de importação. Os perdedores do dinamismo comercial da Índia são a Tailândia e o Vietnã, que verão suas vendas externas caírem este ano cerca de 30% e 15%, respectivamente.

A Tailândia recuaria para o terceiro lugar do ranking mundial, atrás do Vietnã pela primeira vez em sua história. Os preços mundiais devem terminar o ano sob pressão como resultado da baixa disponibilidade exportável, à espera da chegada da nova colheita asiática dentro de algumas semanas, e que deve continuar durante o primeiro trimestre de 2021. As perspectivas para a produção global 2020/2021 são boas e indicam um aumento de 1,5% graças à extensão das áreas de arroz, especialmente na China e na Índia. O comércio mundial, estável este ano, deve apontar para um aumento acentuado em 2021 de 7% para 48 Mt devido ao aumento da demanda de importação no sudeste da África e na África subsaariana.

Em novembro, o índice OSIRIZ/InfoArroz (IPO) subiu 4,3 pontos para 224,3 pontos (base 100 = janeiro de 2000) contra 220,0 pontos em outubro. No início de dezembro, o índice IPO mantinha-se firme em 227 pontos, influenciado pela revalorização das moedas asiáticas em relação ao dólar e a disponibilidade exportável ainda baixa.

Produção mundial

De acordo com as últimas estimativas da FAO, a produção global em 2019 foi de 754,7 milhões de toneladas (501,1 Mt base beneficiado), uma queda de 1% em relação a 2018. Em 2020, apesar das dificuldades em relação à pandemia do Covid-19 e das más condições climáticas no meio do ano, as projeções de produção indicam uma recuperação de 1,5% para 765,7 Mt (508,4 Mt de arroz beneficiado). O principal aumento será visto na Ásia graças a uma extensão das áreas plantadas, especialmente na China e na Índia. Na Tailândia, a produção deve  aumentar, mas menos do que o esperado por causa da seca que afetou a segunda safra até meados do ano. Uma melhora foi observada nos Estados Unidos, onde a safra aumentou 17% em relação ao ano anterior.

Também é esperada uma recuperação parcial da produção na América Latina e no Caribe. Na África Subsaariana, inundações no final do ciclo de cultivo, particularmente nas regiões ocidentais, poderiam limitar o aumento da produção de arroz, eventualmente permanecendo estável em relação ao ano anterior, o que poderia aumentar significativamente as necessidades de importação.

Comércio e estoques mundiais

Em 2019, o comércio mundial caiu 9%, para 44,2 Mt, ante 48,5 Mt em 2018. Os principais importadores asiáticos, exceto as Filipinas, reduziram suas demandas de importação. As importações africanas também teriam caído, apontando para 16,7 Mt contra 16,9 Mt em 2018. Em 2020, estima-se que o comércio global deve aumentar ligeiramente 0,8% para 44,5 Mt. Esse aumento beneficiará principalmente a Índia, o principal exportador mundial, com uma forte recuperação em suas vendas externas graças a preços mais competitivos.

Em contrapartida, as exportações tailandesas terão uma queda significativa de 30%, seu nível mais baixo em vinte anos. O Vietnã, cujas vendas também poderiam cair 15%, no entanto, subiria para o segundo lugar como exportador global, superando a Tailândia pela primeira vez. As primeiras projeções para 2021 indicam uma recuperação significativa no comércio mundial de 7% para 47,6 Mt, ou 3 Mt a mais do que em 2020. Espera-se uma forte demanda de importação de países africanos, em particular Nigéria, Costa do Marfim e Senegal. Espera-se que essa recuperação do comércio mundial beneficie todos os exportadores mundiais, com exceção do Mercosul e dos Estados Unidos.

Os estoques globais de arroz no final de 2019 aumentaram 5%, para 185,1 Mt contra 176,4 Mt em 2018, atingindo o maior nível histórico. Em contrapartida, as estimativas para 2020 indicam uma redução de 1,8% para 181,8 Mt. Essas reservas representam 36% das necessidades globais. Essa redução será vista principalmente na China, mas suas reservas permanecem relativamente altas, correspondendo a 70% do consumo anual. Por outro lado, as reservas dos países exportadores devem ser aumentadas novamente em 2020/2021 para 46 Mt, o equivalente a 30% dos estoques globais. Em contrapartida, estima-se que os estoques nos países importadores diminuirão, particularmente nos países africanos

Na Índia, os preços do arroz subiram apenas 1% e continuam sendo os mais competitivos do mercado. Esse aumento deve-se principalmente à revalorização da rupia em relação ao dólar. A Índia também se aproveita da demanda de importação particularmente ativa, sobretudo na China e Bangladesh.

As exportações indianas continuam progredindo a uma taxa mensal de 1,4 Mt há seis meses, contra uma média de 860.000 t no ano anterior, ao mesmo tempo. Mais da metade das exportações indianas são destinadas ao continente africano. A Índia deve manter uma oferta de exportação significativa buscando reduzir seus estoques domésticos correspondentes a 33% de seu consumo anual contra uma
média de 25% nos últimos cinco anos. Em 2020, as exportações indianas poderão quebrar um recorde, com mais de 14 Mt contra 9,8 Mt em 2019. Em novembro, o arroz indiano 5% marcou US$ 353/t Fob contra $ 350 em outubro. O arroz indiano 25% também subiu para $ 334 contra $ 330 anteriormente. No início de dezembro, os preços permaneceram relativamente fortes.

Na Tailândia, os preços de exportação aumentaram 3% em um mês, exceto para o quebrado, que permaneceu relativamente estável. Os preços de exportação estão sujeitos à pressão dos preços domésticos e à revalorização do bath frente ao dólar. As exportações mensais teriam atingido 495.000 t em novembro contra 450.000 t em outubro, mas ainda estão 30% abaixo do ano passado na mesma época. Esse atraso é particularmente significativo nos mercados africanos, o principal destino do arroz tailandês. No total, as exportações tailandesas poderiam não ultrapassar 5,5 Mt em 2020, o nível mais baixo dos últimos vinte anos, o que o coloca atrás do Vietnã pela primeira vez em sua história. Em novembro, o preço do arroz tailandês 100% B registrou uma média de $ 476 contra $ 464 em outubro.

O Tai parbolizado subiu para $$ 473 contra $$ 459 anteriormente. Por outro lado, o A1 Super quebrado aumentou apenas 0,7% para $ 408 contra $ 405. No início de dezembro, os preços se mantinham firmes. No Vietnã, os preços de exportação avançaram consideravelmente em uma média de 6%. A demanda de importação do Sudeste Asiático tem sido forte, enquanto os suprimentos exportáveis tendem a encolher, à espera da safra principal de inverno/primavera, que começa a chegar no início de 2021. Estima-se que em novembro as exportações vietnamitas tenham atingido 352.000 t contra 320.000 t em outubro. No entanto, elas permanecem 20% abaixo da média dos três meses anteriores. As exportações estariam 5% menores do que no mesmo período do ano passado, e não ultrapassariam 6 Mt em 2020. Em novembro, o Viet 5% marcou $ 500 contra $ 473 em outubro. O Viet 25% também subiu para $ 474 contra $ 450 anteriormente. No início de dezembro, os preços tendiam a enfraquecer. 

No Paquistão, ao contrário de outros mercados, os preços do arroz caíram 4%. Os exportadores enfrentam forte concorrência da Índia, cujos preços continuam sendo os mais competitivos. No entanto, as exportações paquistanesas continuam progredindo com as maiores disponibilidades, graças à produção recorde em 2020. As exportações em outubro teriam atingido 220.000 t contra 188.000 t em setembro, mas continuam 20% menores do que no ano anterior. No ritmo atual, as vendas externas podem descer para 3,5 Mt contra 4,5 Mt em 2019. Em novembro, o Pak 25% foi cotado a $ 340 contra $ 354 em outubro. No início de dezembro, os preços tendiam a ser reforçados.

Na China, a atualidade foi marcada pelo anúncio da compra de 100.000 t de arroz quebrado da Índia. É a primeira vez em trinta anos que a China se abastece na ndia, devido à falta de oferta vietnamita e tailandesa. A China também aproveita os preços competitivos da Índia, mas ressalta que estas são compras pontuais. No entanto, essas compras fazem parte da política comercial da China de exportar parte de seus estoques abundantes (60% dos estoques globais) e comprar arroz no mercado internacional a preços baratos. Em 2020, as exportações chinesas podem chegar a 3 Mt, enquanto suas importações chegariam a 3,2 Mt. Nos Estados Unidos, os preços do arroz diminuíram cerca de 1%, mas dentro de um mercado bastante ativo. Estima-se que as exportações atingiram um recorde de 430.000 t em novembro. Esse volume histórico deve-se a novas compras do México, correspondendo a um terço das vendas externas dos EUA em novembro, mas também graças às compras do Brasil nos últimos dois meses.

O país importou mais de 90.000 t (base beneficiado), representando o maior volume de arroz norteamericano comprado pelo Brasil desde 2003. O preço indicativo do arroz Long Grain 2/4 foi em média de $ 587/t contra $ 593 em outubro. No início de dezembro, o preço permaneceu estável. Na Bolsa de Chicago, os preços futuros do arroz em casca marcaram estabilidade a $ 274/t contra $ 375 em outubro. No início de dezembro, estes permaneciam em torno de $ 273.

No Mercosul, os preços de exportação subiram ligeiramente 0,5% dentro de um mercado pouco ativo. As vendas mensais do Brasil e do Uruguai caíram 40% em relação a outubro. No Brasil, o abastecimento doméstico é baixo e o preço indicativo do arroz em casca brasileiro subiu 2% em média, marcando $ 383/t contra $ 275 em outubro. No início de dezembro, o preço se mantinha firme em $ 387.

Na África Subsaariana, os preços domésticos permanecem estáveis na maioria dos mercados regionais, mas em alguns países costeiros da África Ocidental, tendências de queda começam a ser notadas com a chegada da nova safra. No entanto, não são esperados aumentos significativos na produção de arroz,
possivelmente gerando uma demanda significativa de importação nos próximos meses, aproveitando também preços internacionais particularmente atraentes


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink