Americanos sinalizam investimentos

Agronegócio

Americanos sinalizam investimentos

“As terras produtivas brasileiras são quase um ímã para qualquer produtor”, disse Robert Stallman
Por:
2020 acessos
As obras de infraestrutura do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) vão melhorar a logística e impulsionar a produção agropecuária brasileira nos próximos anos. A avaliação é do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi. Ele recebeu nesta terça-feira, 29 de março, líderes de produtores agrícolas norte-americanos. Comandada pelo presidente da American Farm Bureau Federation (AFBF), Robert Stallman, a comitiva contou com dirigentes de cinco federações estaduais de agricultura dos Estados Unidos.

No encontro, Wagner Rossi mencionou obras importantes do PAC que vão dar outra dinâmica ao escoamento da safra brasileira, como a revitalização dos eixos ferroviários Norte-Sul e Transnordestina e de hidrovias. “Temos consciência de que o modal rodoviário não é a melhor forma de escoar a produção agrícola. Temos que usar a intermodalidade para baixar nossos custos”, explicou.

Os investimentos estrangeiros no Brasil também estiveram no centro da reunião com os empresários dos Estados Unidos. Robert Stallman deixou claro o interesse norte-americano em produzir no país. “As terras produtivas brasileiras são quase um ímã para qualquer produtor”, disse.

O ministro Wagner Rossi explicou que o governo brasileiro limitou a aquisição de terras por estrangeiros no ano passado para impedir a entrada de capital especulativo no Brasil. Mas, esclareceu, a decisão, tomada ainda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, não significa que há uma rejeição aos investimentos. Rossi disse que o governo da presidente Dilma Rousseff está estudando uma forma jurídica para garantir investimentos produtivos estratégicos sem ameaça à soberania nacional.

Os produtores americanos também ouviram de Wagner Rossi explicações sobre os programas desenvolvidos para ampliar a produção de alimentos de maneira sustentável. O ministro mencionou que o país está na vanguarda no desenho de políticas públicas na agricultura para a redução da emissão de gases de efeito estufa.

Stallman e dirigentes da AFBF se mostraram impressionados com o esforço brasileiro em compatibilizar produção de alimentos e meio ambiente. Com números, o ministro demonstrou que o aumento da produção é resultado da maior produtividade e não da ampliação de terras utilizadas. “Nos últimos 20 anos, a área plantada no Brasil cresceu apenas 25% enquanto nossa produção global cresceu 152%”, disse Rossi. “O Brasil tem 55% de sua área de cobertura vegetal original e já atuamos em 8 milhões de hectares extraindo das florestas naturais aquilo que elas podem oferecer sem que seu equilíbrio seja ameaçado”, completou.

Os contenciosos comerciais entre os dois países também foram objeto da reunião. O ministro defendeu que os governos brasileiro e norte-americano busquem consensos, mencionando como exemplo o caso do algodão. “Somos concorrentes em muitos campos, mas também somos parceiros em outros. Só vejo dois caminhos para aumentar a produção de alimentos no mundo: as terras brasileiras e a produtividade americana”, disse.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink