Após chuvas, pico de safra de batata deve ocorrer em abril

Agronegócio

Após chuvas, pico de safra de batata deve ocorrer em abril

As chuvas na praça mineira durante quase todo o mês impediram a colheita de grande parte da área
Por:
1874 acessos
Ao contrário do esperado por agentes, não houve pico de safra de batata na região do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba em março. As chuvas na praça mineira durante quase todo o mês impediram a colheita de grande parte da área que deveria er sido ofertada no correr de março. Dessa orma, o pico de safra foi deslocado para abril, o ue influenciou no escalonamento da oferta, uma ez que a previsão era de que a área colhida em
março fosse o dobro da de abril. Em março, 30% a área foi colhida, ao passo que a estimativa inicial
apontava 45%. Agora, agentes acreditam que, té o final de abril, 40% da área esteja colhida.

Este deslocamento do calendário, aliado à quebra e produção no Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba, elevou os preços da batata em março. Além disso,  melhora na qualidade também influenciou o aumento nos preços no período. A batata especial tipo ágata nas beneficiadoras teve média de R$ 35,57/sc de 50 kg em março, valor 47% superior à de fevereiro. O aumento nos preços em março rouxe alívio para muitos produtores, que, durante
quase toda a safra, negociaram a batata a preços baixo dos custos.

Sul de Minas encerra safra das águas com baixa rentabilidade 
 
A safra das águas do Sul de Minas Gerais foi praticamente finalizada em março, restando apenas 5% da área para ser colhida em abril. Desde  início da temporada, a qualidade da batata foi prejudicada pelo excesso de chuva, que ocasionou pele escura. No entanto, a produtividade foi elevada: 35 toneladas por hectare durante a safra.

A baixa qualidade, aliada ao excesso de oferta, pressionou os valores pagos aos produtores, tornado a safra menos rentável. De dezembro/10 a março/11, o valor médio pago ao produtor mineiro na roça, ponderado pelo calendário de colheita, oi de R$ 18,70/sc de 50 kg.

Chuvas atrasam lantio das secas

O plantio da safra das secas foi atrasado o Paraná e no Sudoeste Paulista por conta das huvas em fevereiro. No Paraná, o plantio atrasou quase um mês, conforme relatos de produtores da região. Até o fim de fevereiro, o comum seria o cultivo de 90% da safra, mas apenas 60% da área foi concluída. Assim, os 40% restantes foram plantados em março. As precipitações também elevaram a incidência de doenças, como requeima e canela-preta. Agora, a preocupação de agricultores paranaenses está relacionada à possibilidade de geadas a partir de abril.
 
Quanto ao Sudoeste Paulista, a estimativa era de que as atividades de campo atingissem 20% da área em fevereiro, mas apenas 5% foi cultivado. Com isso, houve concentração ainda maior do plantio em março (80%
da safra) e, em abril, as atividades seguem para o fim, com os 15% restantes. Apesar desse atraso,  calendário de colheita não deverá ter muitas lterações. Assim, a oferta da batata em maio deve er menor, como geralmente é observado para  período, com a previsão de colheita de 5% da rea. Já o pico de oferta está previsto para junho e,
com o ligeiro atraso do plantio, a disponibilidade este ano, especificamente, deve ser ainda maior.

O encerramento da safra está previsto para julho.  clima e o andamento do mercado, no entanto, odem adiar ou atrasar o volume ofertado no correr a safra – para esta temporada, é mais provável que ocorra atraso.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink