Aprosoja avalia situação portuária do norte do país
CI
Agronegócio

Aprosoja avalia situação portuária do norte do país

Uma equipe da Aprosoja ercorre esta semana as cidades de Belém, no estado do Pará, e Macapá, no Amapá, para avaliar a situação portuária da região norte do país
Por:
Uma equipe da Aprosoja ercorre esta semana as cidades de Belém, no estado do Pará, e Macapá, no Amapá, para avaliar a situação portuária da região norte do país. Entre os dias 24 e 26 será cumprida uma extensa agenda de reuniões e visitas aos portos dos dois estados. Participam da viagem o presidente da Aprosoja e também do Movimento Pró-Logística, Carlos Fávaro, os diretores Roger Augusto e José Rezende, o conselheiro fiscal da Aprosoja e coordenador de logística do Sistema Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Marcos da Rosa, e o coordenador executivo do Movimento Pró-Logística, Edeon Vaz.


Nesta terça (24) eles se reúnem com a diretoria da Companhia de Docas do Pará (CDP) para avaliar o andamento dos projetos de ampliação do porto de Santarém e Vila do Conde, ambos no Pará. A Aprosoja também irá verificar como anda o projeto de instalação do porto de Itaituba/Miritituba. Também está programada uma visita ao terminal portuário de Outeiro.

De acordo com o presidente da Aprosoja, Carlos Fávaro, com a conclusão da pavimentação da rodovia Cuiabá-Santarém, a BR 163, a ligação entre o Norte e a região central do país trará significativas vantagens ao escoamento da produção nacional de grãos. “Com a conclusão da 163 a tendência é que os grãos produzidos nos municípios ao longo da rodovia tenham como destino os portos do norte do país e todas as alternativas portuárias situadas nesta região precisam ser consideradas, daí nossa preocupação com a necessidade de um aparelhamento urgente nas atuais estruturas de recebimento e exportação de grãos”.


Em Macapá, a equipe da Aprosoja reúne-se com o presidente da Companhia de Docas de Macapá e discute a logística de transporte pelo porto de Santana. ”A alternativa de usar o porto de Santana, antigo porto de Macapá, como saída de grãos do Centro Oeste é perfeitamente viável e iremos saber como anda o projeto de ampliação do porto”, afirmou Fávaro.

O coordenador executivo do Pró-Logística, Edeon Vaz, explica que o porto de Santana atualmente é utilizado para a exportação de minérios e pela localização estratégica e ligação com os principais mercados da Europa, representa uma alternativa na exportação de grãos e outros produtos, com redução significativa no custo do frete para os produtores mato-grossenses, que passariam a contar com mais uma opção para o escoamento da produção, aumento a competitividade da produção agrícola do Mato Grosso.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.