Argentina aplica nanotecnologia em agroquímicos no Paraguai

TECNOLOGIA

Argentina aplica nanotecnologia em agroquímicos no Paraguai

O objetivo é complementar e expandir ainda mais a nanotecnologia e sua incorporação para o desenvolvimento de indústrias. 
Por: -Leonardo Gottems
201 acessos

A Fundação Argentina de Nanotecnologia (FAN), através da Embaixada da Argentina no Paraguai, está trabalhando aliada com cinco empresas do setor para investir em agroquímicos naquele país. De acordo com a FAN, o objetivo é complementar e expandir ainda mais a nanotecnologia e sua incorporação para o desenvolvimento de indústrias. 

Segundo o que informou Laura Toledo, Chefe de Inovação e Promoção da FAN, a parceria pode acarretar no surgimento de novos produtos e serviços do gênero. A delegação esteve composta de empresas que ofereceram uma gama de produtos nas áreas de agroquímicos, meio ambiente, saúde e cuidados pessoais, têxtil, infraestrutura e estradas, entre outros. 

“A Fundação promove o desenvolvimento de nanotecnologia e sua incorporação na indústria para agregar valor e tornar as empresas mais competitivas. Trata-se de uma tecnologia que manipula a matéria a uma escala [muito diminuida], ou divide um milímetro em um milhão de partes iguais, preservando as propriedades originais para gerar novos produtos ou serviços”, explica. 

Nesse cenário, as empresas que participam do projeto pretendem desenvolver testes ou produtos com um diferencial único em comparação com outros produtos, obtidos com o uso de nanotecnologia. Pelo menos duas das empresas já têm presença no mercado local, e o que elas buscam agora é fortalecer os laços comerciais em benefício dos países e das sociedades. 

Uma das empresas que integra o projeto é a Red Surcos, a maior fabricantes de pesticidas com nanotecnologia da Argentina. O engenheiro agrônomo Julio Codas, Gerente Comercial da Red Surcos Paraguay S.A, ressaltou que a aplicação da nanotecnologia em produtos fitossanitários permite que produtos bem conhecidos e comprovados em sistemas agrícolas, como o 2,4-D, aumentem significativamente sua bioeficácia e biodisponibilidade. 

“Torna possível usar até 50% menos ingrediente ativo por hectare, sem renunciar ao controle. Além disso, esses produtos com tecnologia são muito mais amigáveis ao ambiente e aos usuários. Ao mesmo tempo, eles têm benefícios adicionais, como baixo odor, baixa volatilidade e têm alta compatibilidade de misturas de tanques com glifosato e outros produtos presentes no mercado”, completa a Red Surcos.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink