Arroz precisa ser mantido na pauta do acordo Mercosul-UE, diz Abiarroz
CI
Arroz

Arroz precisa ser mantido na pauta do acordo Mercosul-UE, diz Abiarroz

Entidade enviará mais subsídios ao governo para reforçar importância de incluir o cereal na negociação e defende cota de exportação
Por:

Entidade enviará mais subsídios ao governo para reforçar importância de incluir o cereal na negociação e defende cota de exportação pelo Mercosul de 400 mil t/ano sem impostos

O arroz precisa ser mantido pelo Brasil na pauta de negociações do acordo Mercosul-União Europeia (UE), alerta a Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz). A entidade está alinhada com as reivindicações dos parceiros do bloco econômico sul-americano (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) no sentido de reforçar o pedido de uma cota de exportação para aquele mercado de 400 mil toneladas/ano livre de impostos de importação.

Nos próximos dias, a Abiarroz encaminhará mais subsídios ao novo governo brasileiro para reforçar a importância da manutenção do cereal nas negociações do acordo, que já se arrastam há 20 anos, mas caminham para uma conclusão. A entidade ressalta ainda que a ampliação do acesso do arroz à UE integra a estratégia do Mercosul de ampliar sua participação no comércio agrícola mundial.

O pedido de uma cota de 400 mil t/ano de exportação do produto para o mercado europeu foi apresentado às autoridades regionais pela Confederação dos Moinhos de Arroz do Mercosul (Conmasur), da qual a Abiarroz faz parte.  

No entanto, a última oferta feita pela UE foi de uma cota de 45 mil t/ano, com imposto incidente por seis anos de 15 euros/t. Além de rejeitar a taxação, a Abiarroz considera o volume insuficiente e lembra que somente em 2018 as exportações de arroz do Mercosul para a UE foram de 190 mil/t.

Dias atrás, a UE reiterou o desejo de avançar nas negociações para alcançar o acordo de livre comércio. Na avaliação da Abiarroz, este é o momento oportuno para a cadeia orizícola do bloco sul-americano reafirmar a importância da inclusão do produto no tratado.

A indústria brasileira do arroz observa ainda que a Itália e a Espanha são contrárias à inclusão do cereal no acordo, alegando que ele também é produzido localmente. Entretanto, a Abiarroz classifica o argumento como inconsistente, já que o comércio do produto teria como parâmetro a cota de 400 mil/t de exportação.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.