Artigo: Alterando paradigmas no cultivo de triticale
CME MILHO (SET/20) US$ 3,076 (-1,22%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (1,29%)


Agronegócio

Artigo: Alterando paradigmas no cultivo de triticale

O cultivo de triticale no Brasil, nas últimas oito safras, manteve em média, área de 100 mil hectares/ano
Por: -Janice
858 acessos

*Alfredo do Nascimento Junior

Resultante do cruzamento entre trigo e centeio, o triticale possui boas qualidades herdadas dessas espécies. O cultivo de triticale no Brasil, nas últimas oito safras, manteve em média, área de 100 mil hectares/ano. Maiores incrementos ocorreram nos estados de São Paulo e no norte do Paraná, devido a melhor adaptabilidade do triticale ao estresse hídrico, a solos ácidos e ao menor custo de produção, quando comparado a outros cereais. Nesses locais, o grão colhido tem superior qualidade e a farinha é utilizada em mesclas com farinha de trigo, para a fabricação de biscoitos e massas para usos diversos, além da formulação de rações para suínos e aves, permitindo ao produtor obter valores próximos àqueles recebidos pela venda de trigo.

Em 2008, foram cultivados pouco mais de três mil hectares em Minas Gerais, configurando um marco na busca de alternativas de sucessão e de rotação aos sistemas de produção que têm na soja, no milho, no feijão e no algodão a base da sustentabilidade. Para os cerrados do Brasil Central, os materiais devem ser adaptados ao regime de sequeiro, apresentar elevado potencial de rendimento e precocidade suficiente para diminuir a incidência de doenças de espiga (principalmente brusone) e permitir colheita antecipada, favorecendo a cultura posterior, normalmente a soja e milho, na expressão de todo potencial agronômico.

A contribuição do triticale vai além do uso grão, da farinha ou produto final. A palha produzida (raiz, colmos, folhas e espigas) é verdadeira “poupança” para a terra, com melhorias de fertilidade, da vida microbiana e da água do solo, com redução dos efeitos nocivos da erosão, através da palha em cobertura. Poucas espécies conseguem efetivamente crescer e desenvolver em condições marginais de déficit hídrico e elevada acidez como o triticale, retornando com benefícios econômicos.

O planejamento da safra de 2009 deve levar em consideração o sistema e a contribuição de cada uma das diversas espécies disponíveis, inclusive do triticale, para obter o máximo da sustentabilidade econômica, social e ambiental. As informações são da assessoria de imprensa da Embrapa Trigo.

* Pesquisador da Embrapa Trigo


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink