As novas projeções do USDA sobre exportação e importação de carne de frango em 2022
CI
Imagem: Pixabay
PECUÁRIA

As novas projeções do USDA sobre exportação e importação de carne de frango em 2022

As perspectivas quanto à continuidade das exportações agropecuárias ucranianas vêm mudando
Por:

Embora a guerra na Ucrânia já dure cinco meses e, tudo indica, não deve terminar tão cedo, as perspectivas quanto à continuidade das exportações agropecuárias ucranianas vêm mudando em relação ao prognosticado algum tempo atrás.

No tocante à exportação de carne de frango pela Ucrânia, por exemplo, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) tem, no momento, visão bem diferente da que foi exposta em abril passado. Pois, naquela época, projetou embarques de não mais que 60 mil toneladas e, atualmente, prognostica volume seis maior.

De toda forma, mesmo que atinja as 360 mil toneladas sugeridas nas estimativas de julho corrente do USDA, o total exportado pela Ucrânia continuará mais de 20% aquém do que foi registrado em 2021.

Quanto ao Brasil, que permanece na liderança mundial em posição aparentemente imbatível (mais de um terço das exportações globais, contra 25% de participação dos EUA, segundo colocado), o USDA manteve o prognóstico de abril, estimando que as vendas externas brasileiras de carne de frango cheguem aos 4,600 milhões de toneladas, quase 9% a mais que o exportado em 2021. As projeções – é sempre bom esclarecer – referem-se a produto in natura e não incluem pés/patas de frango.

Entre oito grandes exportadores de carne de frango arrolados pelos EUA (tabela abaixo), a metade deles deve exportar neste ano volume menor que no ano passado. E, entre os que aumentam suas exportações, o maior índice de expansão (20,35%) está previsto para a China. Porque – explica o USDA – o plantel chinês de suínos se recompôs e a demanda por outras carnes recuou, daí a oportunidade de aumentar as exportações de carne de frango.

Entre os grandes importadores de carne de frango, o USDA mantém o Japão como maior importador mundial. Mas isso só acontece porque em suas estatísticas o órgão da agricultura norte-americana continua a desconsiderar as importações de pés/patas de frango. Como a China – segundo o próprio USDA – importou perto de 700 mil toneladas desse item em 2021, isso a torna a maior importadora mundial de carne de frango.

Mas neste ano, ainda que mantenha ou eleve suas importações de pés/patas de frango, a China tende a reduzir as importações globais de carne de frango. Porque, como foi dito anteriormente, a recomposição do plantel suíno reduziu a demanda por outras carnes, possibilitando até que a China aumente as exportações do produto.

Além da China, apenas outros três países devem importar volume menor que o registrado em 2021: Arábia Saudita (-22,76%), Canadá (-10,33%) e África do Sul (-0,27%, o que indica estabilidade). Mas ainda que as quedas por parte da China e da Arábia Saudita sejam significativas (cerca de 280 mil toneladas a menos que em 2021), o aumento por parte dos oito outros grandes importadores neutraliza tais reduções, fazendo com que o total importado pelos “10 mais” se mantenha nos mesmos níveis do ano passado.

Isso se aplica, também, ao volume global a ser importado em 2022. Pois embora o USDA aponte redução de 0,05% no total estimado, tal queda corresponde a apenas seis mil toneladas a menos que em 2021.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.