Ovos

Atratividade do mercado doméstico freia exportações em março

Após terem registrado bom desempenho em janeiro e em fevereiro, as exportações brasileiras de ovos in natura recuaram em março
Por:
31 acessos

Após terem registrado bom desempenho em janeiro e em fevereiro, as exportações brasileiras de ovos in natura recuaram em março. Colaboradores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, indicam que esse enfraquecimento das vendas externas pode estar atrelado à maior atratividade do mercado doméstico, que registrou demanda elevada por ovos, devido ao período de Quaresma.

Embora o volume embarcado tenha se reduzido em março, o setor de ovos tem expectativa de recuperação nas vendas externas ao longo de 2018. Agentes consultados pelo Cepea se fundamentam nos recentes surtos de Influenza Aviária (IA) reportadas pelo mundo, que podem direcionar demandantes externos ao Brasil.

De acordo com dados da Secex, em janeiro, as exportações somaram quase 1.200 toneladas, volume 21,2% superior ao embarcado no mesmo período de 2017 e quase cinco vezes mais que em dezembro/17.

Ainda que os preços dos ovos brasileiros estivessem ligeiramente mais baixos naquele mês, a US$ 1.081,69/tonelada, a receita com exportações foi de US$ 1,3 milhão no primeiro mês do ano.

Em fevereiro, exportações se desaceleraram, com redução de 226 toneladas no volume enviado. Já em março, as exportações do produto in natura recuaram ainda mais, somando apenas 462 toneladas no mês, 52,55% a menos que em fevereiro, rendendo ao setor US$ 465.715, ainda de acordo com a Secex.

Para o setor exportador, os números representaram grande ânimo para obter maior receita e recompor o caixa para a cadeia, prejudicada pelas quedas nos preços domésticos praticamente desde junho do ano passado.

Mercado em março

Demanda aquecida impulsiona cotações dos ovos tipo extra 

Os preços dos ovos brancos e vermelhos subiram ao longo de março, influenciados especialmente pela demanda aquecida. Segundo levantamentos do Cepea, a média de preços da caixa de 30 dúzias de ovos tipo extra, brancos, negociada em Bastos (SP), passou de R$ 74,64 em fevereiro para R$ 84,49 em março, alta de expressivos 13,2%. O produto vermelho passou de R$91,00 /cx para R$ 104,41/cx, aumento de 14,7% no mesmo comparativo.

Esse movimento foi generalizado em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea no período. Geralmente, a demanda tende a se aquecer nesta época do ano, devido à Quaresma.

Além disso, a oferta de ovos esteve mais restrita, especialmente a de vermelhos. Tal comportamento do mercado se refletiu em uma diferença recorde entre os preços do produto branco e vermelho, de expressivos 22,33 reais por caixa de 30 dúzias, na região de Bastos (SP), considerando-se toda a série do Cepea, iniciada em 2013. A menor disponibilidade de ovos, por sua vez, se deve ao forte calor e aos elevados custos de produção, especialmente dos insumos para ração, como o milho e farelo de soja.

Ainda que as vendas tenham se aquecido significativamente em março, neste ano, o balanço final do período de Quaresma não foi tão animador para o avicultor de postura. Quando analisado o período de 40 dias de tradição religiosa deste ano, que ocorreu entre 14 de fevereiro e 29 de março, os patamares de preços estão inferiores aos da Quaresma de 2017 (entre 1º de março e 13 de abril), movimento pautado pela restrição de oferta registrada nos primeiros meses de 2017, que elevou as cotações naquele período.

Pelo fato de a Quaresma ter ocorrido mais cedo em 2017, quando o calor e os descartes são tipicamente mais intensos, a oferta de ovos foi menor e manteve as cotações elevadas até o final do período religioso. Segundo dados do Climatempo, em fevereiro de 2017, foram registrados 13 dias consecutivos com temperatura média superior a 31ºC, o que impactou na mortalidade de galinhas e produção de ovos.

Na Quaresma deste ano, o valor médio da caixa de 30 dúzias do ovo tipo extra, branco, a retirar na região de Bastos (SP), foi de R$ 82,32,queda de 10,7% frente ao da Quaresma de 2017. No mesmo comparativo, para o ovo tipo extra, vermelho, a queda foi de 7,4%, com média de R$ 101,69/cx neste ano.

Desde o dia 29 de março, o mercado de ovos comerciais sinaliza estabilidade em patamares de preços mais baixos. Na parcial de abril (até o dia 10), os preços médios dos ovos brancos se sustentam a R$ 81,76/cx, desvalorização de 3,2% frente aos de março, na região de Bastos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink