Bactéria força plantas a produzirem nutrientes
CI
Imagem: Pixabay
ESTUDO

Bactéria força plantas a produzirem nutrientes

“Ninguém mostrou antes que um fluxo dinâmico de nutrientes da planta para a bactéria suporta a proliferação da bactéria"
Por: -Leonardo Gottems

Uma espécie de bactéria que infecta plantações de milho força seus hospedeiros a produzir um banquete de nutrientes que mantém os patógenos vivos e prosperando muito antes de começarem a matar as células das plantas, mostra uma nova pesquisa. O estudo em plantas jovens de milho revela que essas bactérias não apenas geram alimentos para si mesmas nas plantações em que habitam, mas também extraem água que sustenta a vida das plantas.

Embora as condições de laboratório não representem exatamente o que acontece no campo, a pesquisa fornece informações sobre os processos fundamentais que são críticos para a capacidade de um patógeno de causar uma doença do milho que é prevalente no centro e nordeste dos EUA, chamada Stewart's Wilt. Essas bactérias também estão criando problemas para as plantações de arroz e jaca em partes do Hemisfério Oriental.

Ao confirmar que um fator de virulência bacteriana, uma proteína chamada WtsE, inicia a mobilização de alimentos e água para os espaços onde as bactérias residem, o estudo estabelece as bases para a futura reprodução de plantas que pode conter essas táticas de sobrevivência bacteriana. As atuais práticas de reprodução de milho baseiam-se em pesquisas anteriores que se concentraram em estimular as respostas imunes das plantas a essas bactérias infecciosas, uma espécie conhecida como Pantoea stewartii.

“Ninguém mostrou antes que um fluxo dinâmico de nutrientes da planta para a bactéria suporta a proliferação da bactéria durante os estágios iniciais da infecção. Nossas descobertas revelam um frenesi de alimentação bacteriana", disse o autor sênior do estudo, David Mackey, professor de horticultura e ciência agrícola. na Universidade Estadual de Ohio.

“Não houve esforços específicos para controlar a disponibilidade de nutrientes como meio de controlar Pantoea stewartii ou outras bactérias patogênicas de plantas que dependem de proteínas semelhantes a WtsE para sua virulência. Isso abre uma oportunidade para examinarmos o mecanismo de como o WtsE realiza isso.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.