Bancada quer prazo especial para os mais endividados

Agronegócio

Bancada quer prazo especial para os mais endividados

Parlamentares e representantes do governo se reúnem nesta terça-feira
Por:
230 acessos

O Rio Grande do Sul é o Estado brasileiro que mais acumula dívidas no campo. Por isso, a bancada ruralista da Câmara dos Deputados espera conseguir medidas diferenciadas para os produtores gaúchos no pacote da renegociação das dívidas. A reunião dos parlamentares com o governo federal acontece nesta terça-feira (8-04), em Brasília.

O produtor de trigo André Weinz viajou de Victor Graeff (RS) até a Capital federal para acompanhar as tratativas. Em 2003, o triticultor gaúcho perdeu toda a lavoura por causa da estiagem, e conta que por isso nunca conseguiu pagar sua dívida.

– Não é só dívida com bancos, é com terceiros também, o que é muito complicado. Eu não tenho condições de pagar daqui a dez anos – justifica Weinz.

A dívida dos produtores rurais do Rio Grande do Sul Estado está estimada em R$ 8 bilhões até o ano de 2012. Desse total, cerca de R$ 2 bilhões são de débitos vencidos.

A assessora técnica da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) Rosemeire dos Santos lembra que o Estado teve três períodos de seca seguidos, e, por causa disso, alguns produtores perderam em torno de 70% das lavouras em 2003 e 2004.

– Esse acumulo de prorrogações, além do nível de contrações de débito, que na região é maior do que em Mato Grosso, gera um estoque maior de dívidas – explica.

Os produtores gaúchos e catarinenses de trigo e arroz são os mais endividados. Um dos articuladores da nova proposta de repactuação da dívida agrícola, o deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS) lembra que tanto para triticultores quanto para rizicultores foram cinco anos vendendo abaixo do custo de produção.

– Com o acumulado de dívidas, se esse produtor não tinha seguro, qual é a segurança dele? É seu patrimônio – argumenta Heinze.

Na reunião desta terça feira, os deputados vão propor uma negociação diferenciada para as regiões mais endividadas. Para o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), que também participa das discussões sobre a renegociação na bancada ruralista, cada região tem uma situação.

– O que nós estamos fazendo é um grande acordo guarda-chuva, para depois, então, tratarmos pontualmente dos entendimentos localizados, como é o caso dos produtores de soja e algodão de Mato Grosso, de arroz do Rio Grande do Sul e Santa Catarina e de cacau do Nordeste – explica Colatto.

Para os casos mais sérios, a bancada ruralista espera conseguir pelo menos um ano de carência e um prazo superior a dez anos para o pagamento das dívidas dos produtores.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink