Biotecnologia pode revolucionar a saúde
CI
Imagem: Pixabay
DESCOBERTA

Biotecnologia pode revolucionar a saúde

Especialista diz que a biotecnologia remonta a mais de 6.000 anos atrás
Por: -Leonardo Gottems

John S. Mattick, um renomado cientista australiano especializado em biologia molecular, acaba de publicar um relatório sobre como desenvolvimentos extraordinários em sequenciamento genômico e engenharia genética podem transformar a saúde, informou o portal bioeconomia.info. 

Mattick diz que a biotecnologia remonta a mais de 6.000 anos atrás, quando o homem conquistou a domesticação do trigo e o uso da levedura para fermentação. Mas foi nos últimos 50 anos que uma verdadeira revolução ocorreu a partir das tecnologias de clonagem, manipulação e sequenciamento do genoma. O artigo explica que, embora muitas vezes pensada em termos de desenvolvimento de medicamentos e engenharia genética, a biotecnologia está se tornando fundamentalmente uma indústria da informação com um universo de aplicações. 

Os humanos adquiriram a habilidade de ler a programação genética e analisar a estrutura das moléculas da vida, como as células funcionam, como elas diferem umas das outras e o que diferencia um limão de uma laranja. A vida desenvolveu as nanomáquinas mais requintadas, máquinas de proteína que podem ligar oxigênio e quase qualquer outro tipo de molécula, captura de fótons para converter dióxido de carbono e água em carboidratos, detectar campos elétricos ou ondas sonoras e convertê-los em imagens visuais, bomba de íons, facilitar a entrada de vírus, bactérias e parasitas nas células, e eles fabricam motores moleculares que giram ou se contraem para capturar a presa, exercer força e se mover. 

“Os avanços extraordinários no sequenciamento de DNA estão levando a uma enxurrada de informações genômicas. A engenharia genética agora pode ser feita com alta velocidade e precisão. O ritmo da mudança está se acelerando e as tecnologias biológicas estão se cruzando com tecnologias ópticas, nanotecnologias, computação avançada e inteligência artificial para criar possibilidades que antes nem mesmo existiam na imaginação dos cientistas”, comenta. 

O cientista propõe que sensores inteligentes sejam instalados rotineiramente em hospitais, clínicas e outros ambientes de saúde, como lares de idosos. Ao mesmo tempo, esses testes genéticos devem ser atualizados progressivamente para o sequenciamento de todo o genoma para construir o patrimônio genômico nacional. Afirma que isso transformaria as despesas de diagnóstico em um ativo estratégico duradouro. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink