Agronegócio

Boas práticas agrícolas: a dose certa para uma agricultura sustentável

Equilíbrio no uso das tecnologias inovadoras é a ponto para as boas práticas
Por: -Aline Merladete
3250 acessos

Equilíbrio no uso das tecnologias inovadoras é o ponto para as boas práticas

Em tempos em que a preocupação com o meio ambiente é tão constante, por que não falar sobre a importância de se ter uma agricultura sustentável, que se possa garantir a capacidade de produção com qualidade de no planeta.  Cada vez mais, a crescente demanda mundial exige o aperfeiçoamento de sistemas produtivos para que se produza de maneira mais eficiente e sustentável. O agricultor não só tem a missão de produzir, mas também aumentar a produtividade com tecnologias de forma equilibrada para contribuir com a sustentabilidade.

A preocupação com o futuro também faz parte de diversas empresas ligadas ao setor, exemplo disto é a Dow AgroSciences, que projeta soluções para atender as necessidades dos clientes de forma correta, instruindo-os a proteger seus cultivos e, assim, acompanhar as crescentes necessidades da população mundial. A empresa entende que para cumprir a promessa da agricultura, precisa solucionar os problemas de hoje e pesquisando os desafios de amanhã, fazendo sempre as coisas certas pelos motivos certos.  

Conforme a diretora de Assuntos Corporativos da Dow AgroSciences Brasil,  Marilene Iamauti, a Dow está empenhada em desenvolver tecnologias inovadoras que auxiliem o agricultor a aproveitar com eficiência o máximo de seu potencial produtivo, promovendo a utilização de recursos naturais de maneira sustentável nas mais diferentes regiões do Brasil e do mundo. Desde 2013, e empresa já investiu mais de cem milhões de dólares na ampliação de suas atividades no país, prova da confiança da Companhia na pujança e potencial agrícola brasileiro. Além disso, estamos focados em promover a educação e a importância das premissas das boas práticas agrícolas.

O compromisso da Dow AgroSciences vai além da entrega de produtos eficientes e inovadores. A companhia também trabalha para propor melhorias e soluções que permitam a evolução do campo de forma sustentável. Acreditamos que informação é fundamental e, por isso, difundimos os conceitos das Boas Práticas Agrícolas, que incluem recomendações para a gestão de três temas muito relevantes para a agricultura: Manejo de Resistência de Insetos, Manejo da Resistência de Plantas Daninhas e Tecnologia de Aplicação. Essas iniciativas possibilitam que o produtor otimize recursos, aumente a produtividade, reduzindo o impacto no meio ambiente e provendo maior sustentabilidade para o agronegócio.

Desde 2010, é realizado o Programa de Aplicação Responsável, que são treinamentos sobre a importância das boas práticas agrícolas, voltados para a qualidade e a segurança na aplicação de defensivos. Até hoje, já foram capacitados mais de 12.500 profissionais do campo de todas as regiões do Brasil. Para 2016, está prevista a realização de cerca de 220 treinamentos que atingirão aproximadamente 5 mil pessoas, entre agricultores, técnicos e aplicadores.   

Com foco na produtividade pecuária, a Dow AgroSciences atua em conjunto com as principais organizações setoriais e multisetoriais, exercendo um papel de liderança e participação ativa junto à associações e instituições, desenvolvendo projetos e ações que contribuem diretamente para a Pecuária Sustentável no Brasil. Em 2009, a Dow foi pioneira em agrupar autoridades do setor para formar a APPS e depois o GTPS. As fazendas-modelo implementadas e acompanhadas nos últimos cinco anos também já são realidade em vários biomas do Brasil. Além disso, a Companhia investe em projetos que irão contribuir para a mitigação da pegada de carbono do Comitê Organizador Rio 2016, como o projeto Agricultura Sustentável e Carbono Araguaia.  Ainda em ações sustentáveis, o projeto Agricultura Sustentável está alinhado com o sistema de Integração Lavoura/Pecuária/Floresta (ILPF), que busca mostrar que é possível produzir mais sem aumentar os níveis de desmatamento.

A Diretora ainda ressalta que a parceria com o homem do campo é a premissa para investimentos em soluções que levem produtividade e sustentabilidade ao mercado agrícola. Assim, a Dow AgroSciences oferece variedades de híbridos e biotecnologia, além de defensivos agrícolas que promovem o controle mais efetivo de pragas, plantas daninhas e doenças nas lavouras.

ILPF como protagonista em resultados sustentáveis e grande produtividade

O Diretor de Operações da Mafra e Propecus Agropecuária S/A e produtor de Nova Mutum, do Mato Grosso, Jose Henrique Ravasi Gonçalves, iniciou a técnica de Integração – Lavoura – Pecuária – Floresta (ILPF) há seis anos através de estudos e pesquisas quanto à formatação do projeto de migração operacional das fazendas. De modo que a produtividade pudesse ter novos resultados positivos, o produtor conta que reduziu pela metade o ciclo de produção animal, já que antes animais eram abatidos com aproximadamente 45 meses e hoje já são possíveis abates a partir dos 18 meses em animais terminados em confinamento.

Mesmo com apenas seis anos de adoção da prática, o produtor destaca que os resultados foram obtidos rapidamente, como a capacidade de lotação das áreas. Inicialmente, tínhamos cerca de 13 mil cabeças em 15 mil hectares. “Atualmente temos um rebanho de 11 mil cabeças em apenas 3 mil hectares de pastagens fixas. O maior desafio do processo de integração é conseguir balancear adequadamente as áreas dedicadas às diferentes culturas, de forma a extrair o melhor resultado de ambas, evitando subsídios cruzados que priorizem uma atividade em detrimento da outra”.

A ILPF tem como foco melhorar a fertilidade do solo, com a aplicação de técnicas e sistemas de plantio adequados para a otimização e a intensificação de seu uso.  A ILPF tem como grande objetivo a mudança do sistema de uso da terra, fundamentando-se na integração dos componentes do sistema produtivo, visando atingir patamares cada vez mais elevados de qualidade do produto, conservação ambiental e competitividade. No Brasil, estima-se que há cerca de 3 a 4 milhões de hectares sob sistema de integração, sendo o estado do Mato Grosso o líder na prática. 

O sistema de ILPF é conceituado como o sistema que integra os componentes lavoura, pecuária e floresta, em rotação, consórcio ou sucessão, na mesma área - possibilitando que o solo seja explorado economicamente durante todo o ano, favorecendo o aumento na oferta de grãos, de carne e de leite a um custo mais baixo, devido ao sinergismo que se cria entre os diversos componentes (lavoura/pastagem/floresta).

Diante do conceito do sistema, a alternativa é considerada viável em termos de produção para recuperação de áreas alteradas ou degradadas. Dentre as alternativas de boas práticas agrícolas e pecuárias, que minimizam os impactos ambientais decorrentes da exploração do solo, a integração possibilita a redução do uso de agroquímicos, da abertura de novas áreas para fins agropecuários e do passivo ambiental. Desta forma, possibilita a manutenção da biodiversidade e a diminuição dos processos erosivos, através da manutenção da cobertura do solo.  Isto porque, aliada a práticas conservacionistas, como o plantio direto, se constitui em uma alternativa econômica e sustentável para elevar a produtividade de áreas degradadas.

Saiba mais sobre ILPF: http://www.agrolink.com.br/noticias/integracao-para-otimizar-resultados_351062.html

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink