Brasil ainda está atrasado na proteção radiativa de alimentos

Agronegócio

Brasil ainda está atrasado na proteção radiativa de alimentos

O sistema de controle fitossanitário por irradiação consiste em trilhos por onde os alimentos correm, já embalados e prontos para exportação, sem qualquer intervenção do tratamento na fase de plantio
Por: -Lourenço Melo
3 acessos

O presidente da Associação dos Produtores de Hortigranjeiros e Derivados, do Vale do São Francisco (Valexport), José Gualberto de Freitas disse à Agência Brasil que "a iniciativa de fazer proteção radiativa de alimentos é muito positiva e o Brasil, está muito atrasado nisso". Para Freitas, já deveria haver no país instalações industriais apropriadas para essa prática. “Isso sempre foi objeto de luta da Valexport".

A entidade congrega a maior parte dos produtores do Vale do São Francisco, onde segundo informou deverá ser instalada uma unidade piloto para o processamento fitossanitário dos alimentos que vão para exportação.

Gualberto estima que o aparato técnico deve custar entre R$ 8 milhões a R$ 10 milhões para o governo, e o custo operacional ficará para os produtores. Para ele, o tratamento das frutas será importante também para outros pontos produtores, como o Nordeste, que estão longe dos mercados consumidores do país e do exterior. "Se a fruta receber esse tratamento enquanto fresca, ela durará muito mais".

O Ministério da Agricultura abriu consulta pública, por 90 dias, para o projeto de instrução normativa que vai disciplinar a aplicação da radiação ionizante no tratamento fitossanitário. O uso de instalações com esse objetivo, segundo Costa vai permitir também controle sobre a entrada de pragas no país trazidas por alimentos importados.

O sistema de controle fitossanitário por irradiação consiste em trilhos por onde os alimentos correm, já embalados e prontos para exportação, sem qualquer intervenção do tratamento na fase de plantio.

Segundo o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) a irradiação ionizante conserva os alimentos, reduzindo as perdas naturais causaas por brotamento, maturação ou envelhecimento, além de eliminar e reduzir microorganismos, parasitas e pragas sem afetar a qualidade do produto.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink