Brasil avalia cota de importação de trigo sem tarifa para compras fora do Mercosul

Trigo

Brasil avalia cota de importação de trigo sem tarifa para compras fora do Mercosul

Uma decisão pela isenção de tarifa também poderia agradar a Rússia
Por: -Roberto Samora e Marcelo Teixeira
271 acessos

Diante de uma quebra de safra de trigo, o Brasil está avaliando a isenção de tarifa de importação do cereal para uma cota de 750 mil toneladas do produto de fora do Mercosul, uma decisão que poderia favorecer países exportadores como Estados Unidos e Rússia. Uma reunião de ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex), que poderia analisar um pedido do Ministério da Agricultura sobre a cota, deverá ocorrer no dia 8 de novembro. Originalmente, o encontro estava marcado para esta quarta-feira, mas foi transferido para o próximo mês.

De acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), a proposta da cota sem tarifa foi incluída entre os assuntos da reunião de outubro do grupo técnico (Gecex), mas o tema não chegou a ser discutido no encontro que costuma ser preparatório para a reunião da Camex. Isso foi feito a pedido dos técnicos do Gecex para que seja feito um debate aprofundado dos órgãos do governo, o que permitiria que a Camex decidisse algo em 8 de novembro, se até lá houver alguma conclusão.

Segundo o Mdic, não há previsão para uma próxima reunião do Gecex, que estava anteriormente agendada para o dia 8 de novembro. Se aprovada, a isenção de tarifa de 10 por cento para 750 mil toneladas de trigo produzido fora do Mercosul --importações dentro do bloco não pagam a taxa-- poderia adicionar demanda pelo produto produzido no Hemisfério Norte, especialmente dos Estados Unidos e Canadá, que normalmente complementam as importações brasileiras, dominadas pelo produto do Mercosul.

Mas uma decisão pela isenção de tarifa também poderia agradar a Rússia, um dos maiores exportadores globais de trigo, que sempre afirma que gostaria de iniciar vendas aos brasileiros --os russos também são grandes importadores de carnes do Brasil. O ministro da Agricultura do Brasil, Blairo Maggi, encontrou-se com seu colega russo em Moscou no início de outubro, para discutir formas de melhorar o comércio entre os dois países.

O secretário de Defesa Agropecuária, Luis Rangel, afirmou nesta quarta-feira à Reuters que um acordo fitossanitário para a Rússia exportar trigo ao Brasil foi acertado na visita do ministro à Rússia. Ele acrescentou que os russos já poderiam exportar trigo aos brasileiros. Uma liberação da cota sem tarifa, contudo, poderia desagradar principalmente a Argentina, o principal exportador do produto ao Brasil e importante parceiro comercial, que vem aumentando sua produção do cereal após medidas governamentais que estimularam os produtores.

SAFRA QUEBRADA

A solicitação foi feita após o Brasil registrar uma quebra de safra do cereal em razão de adversidades climáticas e redução na área plantada de quase 10 por cento na comparação com 2016 --essa não seria a primeira vez que o país liberaria uma cota tarifária em momento de oferta menor. A produção brasileira em 2017 foi estimada em 4,88 milhões de toneladas pelo governo brasileiro, redução de 27,4 por cento na comparação com 2016, quando o país obteve um recorde de 6,7 milhões de toneladas, o que desestimulou o plantio neste ano em meio a preços mais baixos.

O Brasil consome mais de 11 milhões de toneladas ao ano e deve importar 7 milhões de toneladas em 2017, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Importantes produtores como o Paraná e o Rio Grande do Sul sofreram este ano com problemas de seca, geadas e até chuvas em excesso no momento da colheita, após terem reduzido o plantio ante 2016.

Apesar de a questão da menor oferta de trigo do Brasil, o Ministério da Agricultura afirmou que o pedido para isenção de tarifa para uma cota tem a ver com compromisso assumido pelo Brasil com a Organização Mundial do Comércio (OMC). Por Roberto Samora e Marcelo Teixeira, em São Paulo; com reportagem adicional de Polina Devitt, em Moscou; edição de José Roberto Gomes

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink