Brasil libera mais mil toneladas de soja transgênica do Paraguai
CI
Agronegócio

Brasil libera mais mil toneladas de soja transgênica do Paraguai

Por:

O Paraguai conseguiu liberar o lote de mais de mil toneladas de soja retida há uma semana no Porto de Paranaguá, no Paraná, informam nesta terça-feira (04-11) fontes de governo.

"O Paraná decidiu permitir a exportação de cerca de 1.032 toneladas de soja que se encontravam retidas nos depósitos do Paraguai no Porto de Paranaguá", anunciou o vice-ministro das Relações Econômicas da diplomacia paraguaia, Rigoberto Gauto. A soja estava retida devido a uma lei promulgada no dia 27 de outubro pelo governador do Paraná, Roberto Requião, que proíbe o plantio, transporte, exportação e importação de produtos transgênicos neste estado.

A carga de soja armazenada nos depósitos foi analisada por técnicos do serviço do Paraná que confirmaram a existência dos produtos transgênicos. Gauto visitou nesta sexta-feira as autoridades do Paraná por indicação da diplomacia paraguaia e a pedido de empresários agroexportadores que desejavam a liberação do produto.

O Paraná recebe 1,3 milhão de toneladas de soja paraguaia para processamento industrial, segundo cifras do setor privado. O ministro de Agricultura e Pecuária (MAG), Antonio Ibáñez, acrescentou que não podem existir restrições em função do convênio internacional que desde 1956 rege o uso do porto.

"Estes convênios estão acima das leis nacionais (...) É uma utopia que pretendam nos proibir", informou. Gauto anunciou que a soja paraguaia poderá ser embarcada no Paranaguá no final de novembro. O diretor da Câmara Paraguaia de Cereais e Oleaginosos (Capeco), Oscar Lourenço, disse que as medidas brasileiras estão criando insegurança e temor.

As companhias locais têm 150 mil toneladas de soja que iam exportar pelo Paranaguá e que a partir de agora não sabem se vão fazê-lo através deste porto", revelou. A preocupação aumenta porque acaba de começar a safra 2003/2004, comercializada habitualmente através deste terminal portuário brasileiro, acrescentou.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink