Brasil poderá importar biodiesel argentino
CI
Agronegócio

Brasil poderá importar biodiesel argentino

A estrutura tributária criada pelo governo da Argentina deverá fazer do Brasil um grande importador do combustível
Por:

A estrutura tributária criada pelo governo da Argentina para estimular a produção e a exportação de biodiesel deverá fazer do Brasil um grande importador do combustível. A advertência foi feita pelo presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Carlo Lovatelli, para quem o País não terá condições de competir com os produtores argentinos, uma vez que a carga tributária imposta ao combustível brasileiro, que é equivalente à que onera do diesel, torna a produção nacional proibitiva para os grandes produtores que não dispõem do selo social.

Os grandes players do setor de grãos já estão se estabelecendo no país vizinho - "inclusive a Bunge", convencidos que produzir biodiesel na Argentina será um grande negócio, especialmente para atender ao mercado brasileiro, acrescentou Lovatelli, que é executivo da multinacional. O presidente da Abiove acredita que se estabelecerá no mercado de biodiesel guerra semelhante a existente com o trigo, onde a exportação do grão é tributada em patamar mais elevado que a farinha. No caso do biodiesel, o imposto de exportação foi fixado em apenas 5%, enquanto que as exportações de grãos estão acima dos 20%, estimulando as vendas externas do produto acabado.

Numa tentativa de fazer o governo brasileiro mudar algumas das regras que "engessaram" a produção brasileira, empresários do setor já começam a se organizar. Em reunião na última quarta-feira, a Associação Brasileira da Agribusiness (Abag), da qual Lovatelli também é presidente, criou a Comissão de Agroenergia, que reúne representantes do setor produtivo de etanol, biodiesel, energia elétrica a partir da biomassa, e da indústria química. "Vamos tentar fazer o governo ver que o País ficará trás de seus concorrentes, por causa da atual estrutura de impostos", disse Lovatelli. Se não conseguirem mostrar distorção, os empresários do setor de grãos pretendem "forçar" as autoridades a mudarem as regras.

Ano favorável

Lovatelli divulgou nessa quinta-feira (22-03) a estimativa de produção e exportação do complexo soja. Para ele, o ano será favorável ao campo, que, no entanto, precisará de mais quatro anos para quitar suas dívidas com o governo e o setor privado.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink