Brasil prepara plano para ser o maior fornecedor agrícola do mundo

Agronegócio

Brasil prepara plano para ser o maior fornecedor agrícola do mundo

Setor privado, porém, acha que País ainda precisa resolver problemas internos para evitar barreiras internacionais
Por:
243 acessos
O governo brasileiro prepara uma estratégia para tentar transformar o setor agrícola nacional no principal fornecedor de alimentos e commodities para uma série de mercados. O Ministério da Agricultura está concluindo um mapeamento dos mercados externos que o País deve priorizar em termos agrícolas. O levantamento ainda está sendo debatido com os setores privados. Mas, com problemas ainda a resolver internamente no que se refere às condições fitossanitárias, o governo admite que o aumento das exportações agrícolas pode esbarrar na elevação das barreiras por parte dos outros países. Para o setor privado, o governo ainda precisa fazer sua lição de casa.


''O Brasil será cada vez mais perseguido'', afirmou Luiz Carlos Oliveira, diretor do Departamento de Negociações Sanitárias e Fitossanitárias do Ministério da Agricultura.

A estratégia que vem sendo estudada é a de deixar de focalizar apenas nos mercados tradicionais e passar a avaliar quais são as economias com o potencial de se tornar grandes consumidores de produtos agrícolas nos próximos anos. O mapeamento está ocorrendo em três etapas. A primeira é a análise dos indicadores econômicos e de mercado dos diferentes países. Uma segunda etapa está sendo a identificação das eventuais barreiras existentes e os critérios fitossanitários para as exportações. Uma vez concluído esse estágio, o governo então passaria a avaliar ações de promoção das exportações.

Representantes do setor de frutas e de carnes, por exemplo, já foram consultados para opinar sobre o mapeamento. Mercados como o da China, Índia, Leste Asiático, países do Golfo Pérsico, Norte da África, Rússia e outros estão em avaliação.

No caso da Índia, há indicações de que o país pode enfrentar uma crise no setor agrícola nos próximos anos, diante da falta de água e das práticas quase arcaicas de produção. Para o Brasil, essa seria uma oportunidade para a exportação não apenas de produtos agrícolas, como também de maquinário.

O setor privado considera os levantamentos como um iniciativa positiva. Mas alertou que o governo precisa fazer seu dever de casa antes de querer ''conquistar o mundo''. Para Pedro Camargo Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), o que interessa é se há ou não exigências sanitárias em um país e o que deve ser feito para eliminá-las.


Novas barreiras

De fato, a realidade é que o número de barreiras contra as exportações brasileiras parece crescer. Luiz Carlos Oliveira admite que essa tendência é resultado do temor que o Brasil gera entre os países importadores. ''A cada novo passo que damos, estamos encontrando novas barreiras'', afirmou Oliveira.

Segundo ele, a publicidade das potencialidades agrícolas do Brasil acabaram criando temores entre os demais concorrentes, que querem evitar ser inundados com produtos brasileiros. ''O custo da produção agrícola brasileira é baixo, e isso assusta'', admitiu o representante do governo. ''Não há dúvidas de que seremos perseguidos.''

Para lidar com essa realidade, o governo vai fortalecer sua presença internacional, seja nas negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC), seja em missões bilaterais. Outra medida é a provável criação de adidos agrícolas nas diversas embaixadas do Brasil pelo mundo. O tema já foi aprovado pelo Itamaraty, mas agora está em avaliação no Ministério do Planejamento. ''Precisamos ter delegações fortes nas negociações'', afirma Oliveira.


Nesta semana, por exemplo, o Brasil teve uma participação pouco comum nos debates sobre questões sanitárias na OMC. Levou à entidade nada menos que três casos de problemas enfrentados por suas exportações.

A primeira delas foi questionar os americanos por suas leis que exigem que uma importação passe por entre seis e dez etapas de avaliação. Os americanos rejeitaram as críticas, mas admitiram conversar com o Brasil. Outra barreira identificada foi um projeto na Malásia para cobrar de cada empresa uma taxa de US$ 30 mil por ano para ser certificada e autorizada a exportar.

O Brasil considera a Malásia como uma importante plataforma de exportações para o Sudeste Asiático e outros países muçulmanos. Por isso, já admitiu pagar por inspeções para garantir que as empresas trabalhem no abate, como manda o Corão. Mas se recusa a pagar a nova taxa.

Para completar, o Brasil se queixou dos mexicanos e suas proibições às importações de carne cozida e preparada. A esperança é de que as queixas tenham servido para acelerar a solução dessas barreiras. Mas o governo admite que, em alguns casos, terá de tratar do assunto também na esfera política. ''Temos a maior pecuária do mundo e um dos maiores setores agrícolas. Mas teremos de nos defender'', concluiu Oliveira.


Passos

Mapeamento: a primeira fase da estratégia brasileira de aumento das exportações agrícolas consiste em analisar os indicadores econômicos e de mercado dos diferentes países.

Barreiras: na segunda etapa, a idéia é identificar as eventuais barreiras existentes e os critérios fitossanitários para as exportações.

Promoção: no terceiro estágio da estratégia para atingir novos mercados, o governo passará a avaliar as ações de promoção das exportações.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink