Brasil será sede de conferência internacional sobre fosfato

Agronegócio

Brasil será sede de conferência internacional sobre fosfato

A 5ª edição da Conferência Internacional sobre Beneficiamento de Fosfato acontecerá de 11 a 16 de fevereiro de 2008 no Rio de Janeiro
Por: -Giuliano
97 acessos

Porta Agrosoft - A experiência do Brasil em beneficiamento de fosfato, embora recente se comparada a de outros países do mundo, pode contribuir para otimizar a concentração deste minério. Por isso, o País foi escolhido para sediar a 5ª edição da Conferência Internacional sobre Beneficiamento de Fosfato, que acontecerá no Rio de Janeiro, de 11 a 16 de fevereiro de 2008. Organizado pela americana Engineering Conferences Foundation, este é o principal evento internacional sobre o assunto.

Um dos mais importantes segmentos da indústria de mineração no mundo, a extração de fosfato ocupa, hoje, o terceiro lugar, em tonelagem, entre os recursos minerais utilizados. O Brasil é o 7º colocado no ranking dos produtores mundiais, atrás dos Estados Unidos (26,7%) da China (18,1%), do Marrocos (16,7%), da Rússia (8%), da Tunísia (5,8%) e da Jordânia (4,9%) que respondem por 80,3% de todo fosfato produzido no mundo.

Segundo o organizador da conferência no Brasil, Laurindo de Salles Leal Filho, professor do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (PMI/Poli/USP), o Brasil iniciou as pesquisas para o beneficiamento de fosfato na década de 60. O País teve de desenvolver tecnologia própria, pois as experiências já realizadas nos Estados Unidos, um dos pioneiros no assunto, levavam em conta o tipo de rocha encontrada em seu território, de origem sedimentar. “Já o tipo de rocha predominante em solo brasileiro é de origem ígnea ou magmática, mais pobre em fósforo e com associações mineralógicas mais complexas, portanto, mais difícil de ser beneficiado. Este fato demandou o desenvolvimento de uma tecnologia diferenciada”, explica.

O fosfato constitui um recurso natural não renovável. Por isso, é necessário reduzir ao máximo suas perdas, seja na lavra, beneficiamento ou utilização final na agricultura. “Uma vez que o fosfato é a matéria-prima básica dos fertilizantes, caso venha a se tornar escasso ou a faltar, a agricultura, no mundo inteiro, estará comprometida”, explica. “O mundo tem grandes reservas de fosfato, mas para que elas possam ser bem utilizadas é preciso vencer desafios tecnológicos, como a separação eficiente dos minerais apatita e carbonatos”.

Nos minérios de fosfato existentes hoje no mundo, a apatita é encontrada associada a impurezas como carbonatos, silicatos e óxidos de ferro. Na forma como é extraído, o minério apresenta um teor de pentóxido de fósforo (P2O5) muito pobre para ser utilizado na fabricação de fertilizantes. Para aumentar os teores de P2O5 nos concentrados de apatita é necessário descartar as impurezas através de um processo denominado flotação. Tal processo constitui a etapa mais importante do beneficiamento de fosfatos.

Inscrições dos trabalhos vão até setembro:

Os interessados em enviar resumos de artigos deverão fazê-lo até o dia 30 de setembro pelo site www.engconfintl.org/8au.html. Entre os tópicos que serão discutidos na conferência estarão: novos reagentes e técnicas de processamento, separação física, processos de análise e controle, separação da dolomita do fosfato, redução e utilização do lixo, e hidrometalurgia no processamento de fosfato.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink