Brasil sugere comprar mais para vender carne a russos

Agronegócio

Brasil sugere comprar mais para vender carne a russos

Se a Rússia voltar a adquirir carne suína de SC, Brasil pode importar fertilizantes
Por:
2 acessos

O governo brasileiro pretende fazer mais uma tentativa de cessar o embargo da Rússia à carne suína catarinense. O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, deve visitar o país com uma nova proposta: se a Rússia voltar a comprar suínos de Santa Catarina, o Brasil pode importar fertilizantes, turbinas hidrelétricas e trigo do país europeu.

O Brasil estaria disposto a gastar até US$ 1,5 bilhão ao ano para equilibrar a balança comercial, afirma o secretário da Agricultura de Santa Catarina, Gerson Sorgato.

"Não há certeza da reabertura de mercado. Mas essa é uma sugestão. O Brasil hoje vende o dobro do que compra [da Rússia]. É uma questão comercial." Ainda há, no entanto, um entrave político e econômico, já que existe interesse da Rússia em incentivar a produção local.

Em visita ao país meses atrás, o ex-secretário da Agricultura de Santa Catarina Alfredo Felipe Luz afirmou que a questão não era mais sanitária. Segundo ele, a competição entre produtores russos e brasileiros era extremamente "ruinosa" e, por isso, não havia disposição dos russos em acabar com o veto.

Prestes a completar um ano de embargo -período que o acordo internacional preconiza em razão da confirmação da febre aftosa no vizinho Paraná-, o Estado acredita que, mesmo que a Rússia retome as importações, o volume não será suficiente para suprir a oferta.

Por isso, Santa Catarina luta para ter o reconhecimento da OIE (Organização Mundial de Saúde Animal) como área livre de febre aftosa sem vacinação. Assim, seria possível atrair novos mercados, como Estados Unidos, Japão e até a União Européia. Antes do embargo, 80% do total das exportações do produto do Estado tinha como destino a Rússia. O objetivo é acabar com essa dependência.

Para conseguir o título, o Estado tem de fornecer toda a documentação necessária para a aprovação. "Essa é a nossa preocupação. Já a entregamos, mas reforçamos ao Ministério da Agricultura a importância de não perder o prazo."

O embargo já causou prejuízos de US$ 300 milhões (R$ 650 milhões).

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink