Bunge alerta para extensão de aperto da oferta de grãos
CI
Agronegócio

Bunge alerta para extensão de aperto da oferta de grãos

Estoques de culturas como milho e soja diminuíram
Por:
Os congestionamentos nos portos brasileiros e as vendas limitadas pelos agricultores norte-americanos mantêm a oferta global de grãos apertada, enquanto há expectativas de grandes colheitas no segundo semestre, afirmou a gigante do agronegócio Bunge nesta quinta-feira.
 
Os estoques de culturas como milho e soja diminuíram após uma seca histórica nos Estados Unidos no ano passado e por causa da forte demanda de compradores como a China.
 
Fabricantes de alimentos esperam grandes colheitas nos Estados Unidos neste ano para reconstruírem estoques, o que colocaria mais pressão sobre os preços, que recuaram das máximas de todos os tempos do ano passado atingidas por causa da seca.
 
No entanto, o fluxo de produto para o mundo por parte de produtores na América do Norte e do Sul permanece limitado, de acordo com a Bunge, uma das principais tradings agrícolas do mundo.
 
"Os mercados do agronegócio estão em transição entre uma oferta apertada e um fornecimento mais confortável", disse o presidente da Bunge, Alberto Weisser, em um comunicado.
 
A Bunge está enfrentando desafios logísticos no Brasil, onde se espera que os agricultores colham uma produção recorde de milho e soja.
 
Os atrasos estão gerando custos no Brasil, fazendo com que a China perca a paciência e cancele algumas cargas, trocando pelo produto dos Estados Unidos.
 
Weisser disse, ao comentar os lucros trimestrais da Bunge, que a equipe do agronegócio da empresa "teve um bom desempenho, gerenciando bem riscos em um ambiente de mercado volátil, caracterizado por estoques globais apertados e logística desafiadora do Brasil".
 
"O congestionamento no Brasil está melhorando, mas os atrasos vão persistir até a colheita dos EUA mais tarde este ano", disse ele.
 
LUCRO TRIMESTRAL
 
A Bunge registrou resultados melhores do que o esperado no primeiro trimestre do ano ajudada por uma alta nas vendas de produtos de açúcar e bioenergia, informou a empresa nesta quinta-feira.
 
A empresa lucrou 170 milhões de dólares no primeiro trimestre encerrado em 31 de março, em alta ante os 84 milhões de dólares de um ano antes.
 
Excluindo itens, a companhia lucrou 1,15 dólar por ação, superando a estimativa dos analistas, de 92 centavos por ação, de acordo com o Thomson Reuters I/B/E/S.
 
A receita totalizou 14,79 bilhões de dólares, superando a expectativa do mercado de 13,99 bilhões.
 
As vendas de produtos de açúcar e bioenergia subiram 26 por cento.
 
A Bunge está entre as quatro grandes empresas que dominam o fluxo de produtos agrícolas no mundo, as chamadas "ABCD". As outras são a Archer Daniels Midland, a Cargill e a Louis Dreyfus .

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.