Bunge apresenta proposta de esmagadora de soja e usina de álcool

Agronegócio

Bunge apresenta proposta de esmagadora de soja e usina de álcool

A usina que será instalada no município de Pedro Afonso, está em fase de implantação, com funcionamento previsto para o mês de maio de 2010
Por:
248 acessos

Uma reunião do governador Marcelo Miranda com o Grupo Bunge, nessa segunda-feira, 17, no Palácio Araguaia, em Palmas, resultou em mais uma proposta de instalação de empreendimento no Tocantins: uma esmagadora de soja no município de Pedro Afonso. O diretor da Bunge Açúcar e Álcool, Hélio Effting, anunciou também o funcionamento da usina de álcool e açúcar, em fase de implantação no município, para o mês de maio de 2010. “Nossa intenção é para que em maio de 2010 estejamos processando cana nesse empreendimento”, disse ao anunciar que a esmagadora está em estudo. “A esmagadora é um projeto que a empresa já demonstrou interesse em desenvolver com o governo do Estado. Estamos avaliando as questões mercadológicas e depois voltaremos a esta discussão”, explicou.

Os representantes da empresa fizeram uma exposição dos estágios de construção e desenvolvimento do canavial que será empregado na usina. Hoje são cerca de 5 mil hectares de plantio, que devem ser ampliados para 10 mil hectares até o final do ano. A usina em Pedro Afonso produzirá álcool, etanol e açúcar, destinados ao mercado de todo o país. “Esses são os três produtos que vão sair da usina. A energia é muito importante para o Tocantins, que é um exportador para o Brasil, entendemos que o país vai continuar requerendo energia e, por isso, também é parte do projeto”, disse o diretor.

Outro tema abordado no encontro tratou dos impactos sociais e econômicos do empreendimento, que já tem efeitos no município. De acordo com o prefeito de Pedro Afonso, José Júlio Eduardo Chagas, o Julhão, já faltam moradias para atender o número de pessoas que chegam a cada dia no município para atender a empresa. Além disso, é crescente a demanda por mão-de-obra qualificada. Uma das propostas da empresa é que os técnicos da usina sejam formados em Pedro Afonso. “Somente na fase de construção da usina, em seis meses serão mais de 600 empregos, além dos empregados do canavial”, destacou.

Impactos

Segundo o secretário da Indústria e Comércio, Eudoro Pedroza, está sendo viabilizada uma parceria com a Bunge e a Prefeitura de Pedro Afonso para a capacitação de mão-de-obra e atendimento de outras demandas. Para Pedrosa, as necessidades que surgem são reflexo do desenvolvimento. “Isso mostra que o governo busca trazer o desenvolvimento para o Estado e, principalmente, incluir as pessoas que aqui vivem”.

Para Pedroza, a ampliação da Bunge no Tocantins representa mais confiança em se investir no Estado. A Bunge representa para o Tocantins uma garantia de credibilidade e de confiabilidade no governo Marcelo Miranda. Nós vemos que estão ampliando os investimentos no nosso Estado e o que é mais importante: anunciam estudos para uma esmagadora de soja”, conclui.

O prefeito José Júlio Eduardo Chagas disse que os impactos para o desenvolvimento são grandes. “O impacto é muito grande do ponto de vista do desenvolvimento, entendendo que um empreendimento como esse vai impactar não só Pedro Afonso como toda uma região com desenvolvimento”, resumiu.

A Usina

Atualmente, a unidade da Bunge açúcar e álcool está em processo de construção do complexo industrial em Pedro Afonso. O local já possui no projeto agrícola 7 mil hectares plantados de cana-de-açúcar, no entanto, o projeto é de 45 mil hectares. A variedade da cana hoje plantada ainda é importada, mas a previsão é que no prazo de três anos a variedade seja naturalmente tocantinense.

A capacidade de processamento inicial é de 1,4 milhão de toneladas anualmente, podendo atingir até 4,4 milhões de toneladas por ano. O empreendimento pode gerar até 1.500 empregos diretos até 2012 nas atividades agrícolas e industriais, além de empregos indiretos na cadeia produtiva e nos setores de comércio e serviços. No projeto agrícola, a irrigação é feita a partir da água captada no córrego Lajeado, por meio de pivôs de 1.223 metros de comprimento – o maior do mundo, conforme informações do próprio fabricante - com capacidade para irrigar até 930 hectares.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink