Cafeicultores terão a menor taxa de juros já registrada
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,782 (-0,26%)
| Dólar (compra) R$ 5,38 (2,78%)

Imagem: Pixabay

FUNCAFÉ

Cafeicultores terão a menor taxa de juros já registrada

Alinhamento da cadeia permitiu recomendação para redução da taxa a até 5,25% a produtores e cooperativas
Por: -Aline Merladete
1998 acessos

Na terça-feira, 28 de julho, o Conselho Nacional do Café (CNC) organizou uma reunião virtual de alinhamento com a cadeia produtiva da cafeicultura. Diante do atual cenário econômico impactado pela pandemia do novo coronavírus e do nível da taxa Selic, as lideranças do setor foram unânimes em propor a redução dos juros do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) já para a safra atual, com o objetivo de manter a atratividade para agentes e tomadores.

“A proposta estruturada pelos segmentos implica juros máximos de até 5,25% para produtores e cooperativas de produção, abaixo dos 6% das linhas do Plano Safra. Isso será possível por meio da redução da remuneração do Funcafé a 2,25%, mesmo nível da Selic, mais spread bancário flexível de 0% até 3%”, explica o presidente do CNC, Silas Brasileiro.

Segundo ele, os juros para industriais e exportadores também tiveram proposta para redução, para o máximo de 6,75%. “As indústrias e o comércio contarão com uma taxa muito competitiva, já que a remuneração de 2,25% do Fundo é válida para as linhas de aquisição de café (FAC) e capital de giro. O spread permanece flexível entre 0% e 4,5%”, completa.

Na safra 2020, a taxa máxima atual para cooperativas e produtores é de até 6% (3% para o Fundo e 3% de margem aos agentes) e, para indústrias e exportadores, de até 7,5% (3% ao Funcafé e até 4,5% de spread).

A sugestão de redução dos juros foi apresentada pelo setor ao governo federal também na terça-feira, durante a reunião do Comitê Técnico do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), a primeira coordenada pelo novo secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), César Halum.

“A sinalização foi muito positiva à nossa proposta por parte do secretário Halum e de sua equipe, que vêm tendo uma conduta excelente na estruturação de uma política pública para o café. Com a nossa sinergia e a objetividade do governo, vamos obter a menor taxa de juro da história para a cafeicultura, beneficiando, principalmente, o produtor”, destaca.

Com a possibilidade de negociar o spread com as instituições financeiras, o presidente do CNC recorda que os tomadores poderão ter juros abaixo de 5,25% ao ano nos empréstimos do Funcafé. “Os juros máximos propostos são de até 5,25% e 6,75%, conforme as linhas de financiamento, mas produtores, cooperativas, exportadores e industriais têm a possibilidade de negociar a margem com os agentes”, explica.

Brasileiro anota que a sugestão de corte nas taxas foi encaminhada à área econômica do governo, que também já deu sinais positivos para atender à demanda.

“A redução permitirá a otimização na aplicação dos recursos do Funcafé e beneficiará, principalmente, os cafeicultores do Brasil, mantendo a essência do Fundo, que é fomentar a cadeia produtiva, principalmente os nossos produtores, diante das dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19 e seus impactos no cenário macroeconômico”, conclui.

Informações do Conselho Nacional do Café


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink