Cafeicultura - monitoramento da fertilidade do solo
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,782 (-0,26%)
| Dólar (compra) R$ 5,38 (2,78%)

Imagem: Pixabay

CAFÉ

Cafeicultura - monitoramento da fertilidade do solo

Consórcio Pesquisa Café chama a atenção dos cafeicultores para o monitoramento da fertilidade do solo
Por:
504 acessos

As lavouras de café no Brasil, em geral, foram estabelecidas em áreas de solos de baixa a média fertilidade. A pobreza desses solos e a necessidade das plantas pelo fornecimento adequado de nutrientes exigem que os cafeicultores busquem formas eficientes para a correção da acidez e adubação dos solos de suas lavouras.

Os meses de julho e agosto na maioria das regiões produtoras de cafés coincidem com o fim da colheita. Nesse período, muitos cafeicultores realizam a prática da análise do solo com o objetivo de monitorar a sua fertilidade, principalmente em lavouras que tiveram alta produtividade cujas plantas absorveram grande quantidade de nutrientes do solo.

Para a reposição desses nutrientes absorvidos pelas plantas é necessário obedecer a duas leis da fertilidade do solo: a Lei do Mínimo e a dos Incrementos Decrescentes. A Lei do Mínimo preconiza que “a produção das culturas é limitada pelo nutriente em menor disponibilidade no solo, mesmo que todos os outros estejam disponíveis e em quantidade adequada”. Já a Lei dos Incrementos Decrescentes alerta sobre o fato de que se “adicionar doses crescentes de um nutriente, o maior incremento em produção será obtido com a primeira dose, mas com aplicações sucessivas do nutriente os incrementos de produção serão cada vez menores”.

A partir do fornecimento equilibrado de nutrientes às plantas, essas terão crescimento e desenvolvimento suficientes para a produção de frutos e, consequentemente, grãos de cafés.  Contudo, devem ser considerados, além da nutrição equilibrada das plantas de café, outros fatores como a disponibilidade de água para que, por meio dela, haja absorção, distribuição e translocação dos nutrientes pela planta. Outros fatores abióticos (altas temperaturas, seca entre outros) e bióticos (ataque de pragas e doenças, entre outros) ao longo do ciclo da cultura deverão ser mitigados pela adoção de boas práticas agrícolas e de gestão da cultura no campo (Boas Práticas Agrícolas e de Gestão da Propriedade - Instrução Normativa Nº 49 de 24/09/2013 - Normas Técnicas Específicas para a Produção Integrada do Café).

Uma vez que as plantas de café tenham nutrição equilibrada e presença de outros fatores de crescimento e desenvolvimento em níveis adequados como água, luz, CO2, O2 e calor, os frutos de café terão melhor formação, maturação uniforme e, consequentemente, propriedades organolépticas e nutracêuticas ideais para bebidas de boa qualidade, desde que sejam também obedecidas as boas práticas nas fases de colheita, pós-colheita, beneficiamento e armazenamento.

A recomendação equilibrada dos nutrientes será conhecida por meio da interpretação das análises química, física (textura do solo) e do teor de matéria orgânica presente no solo. Contudo, A correta interpretação dos resultados dessas análises será obtida se as amostras enviadas para o laboratório foram coletadas observando-se critérios básicos, como: - a área a ser amostrada deve ser dividida em glebas de no máximo 10 hectares. Cada gleba deve ser a mais homogênea possível, com relação à vegetação, topografia, tempo de uso, produtividade e aplicações de corretivos de acidez (calcários, entre outros), gesso e fertilizantes. Áreas que diferem na paisagem como, por exemplo, em declividade, drenagem, cor e/ou tipo de solo, uso e tratamentos anteriores, devem ser amostradas separadamente.

O uso de ferramentas apropriadas, a homogeneização das amostras com relação ao perfil amostrado, o acondicionamento dessas amostras em recipientes adequados para o envio a laboratórios credenciados para realização dessas análises, entre outros cuidados, também são fundamentais para a correta interpretação (Amostragem e Cuidados na Coleta de Solo para Fins de Fertilidade).

 Recomenda-se que a coleta de amostras de solo para fins da avaliação da fertilidade e, também, a interpretação dos resultados das análises sejam orientadas e interpretadas por engenheiros agrônomos da assistência técnica e extensão rural. Para obter mais informações, sugere-se que o cafeicultor acesse a publicação Manual do Café: Manejo de Cafezais em Produção – EMATER MG, disponível para download no Observatório do Café do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

De acordo com a interpretação da análise do solo, a correção da acidez por meio da calagem, se necessário, deverá ser realizada antes da adubação. Do mesmo modo, a correção do alumínio em subsuperfície deverá ser feita após a calagem com a aplicação do gesso agrícola.

O fornecimento de nutrientes para as plantas de café por meio da adubação via solo ocorre em dois períodos: primeiro, de agosto a dezembro, período em que as plantas de café estão em crescimento vegetativo e, após as primeiras chuvas (setembro-outubro) quando emitem a florada; e segundo, de janeiro a março, período em que há maior necessidade de nutrientes para a granação dos frutos.

Conforme a avaliação do estado nutricional das plantas de café, adubações foliares poderão ser necessárias para complementar os teores de nutrientes exigidos pelas plantas que não foram supridos pela adubação via solo. O período indicado para essa prática de adubação corresponde aos meses de dezembro, e de janeiro a março.

A dosagem dos nutrientes essenciais para o desenvolvimento do cafeeiro (Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Cálcio, Magnésio, Enxofre, Ferro, Manganês, Zinco, Boro e Cobre) varia de acordo com a cultivar/variedade de café seja na fase de muda ou por ocasião do plantio e, ainda, no caso de lavoura já estabelecida, de acordo com o estado fenológico da cultura no campo: florada e expansão dos frutos, granação dos frutos e maturação dos frutos.

Para mais informações sobre esse assunto e outros temas da cafeicultura brasileira visite o Observatório do Café, disponível na página do Consórcio Pesquisa Café.

Observatório do Café – Desenvolvido pela Embrapa Café, a partir de 2013, no contexto do Agropensa da Embrapa, tem como objetivos principais coletar, analisar e disseminar, de forma sistemática, dados estatísticos, informações sobre tendências de produção e consumo, oportunidades e ameaças dos mercados e identificar possíveis trajetórias do processo de inovação.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink