Cafés especiais ficam mais acessíveis

Agronegócio

Cafés especiais ficam mais acessíveis

O aumento do consumo de cafés especiais e as expectativas de crescimento significativo deste mercado incentivaram o grupo Universal Franchising.
Por:
606 acessos

O aumento do consumo de cafés especiais e as expectativas de crescimento significativo deste mercado incentivaram o grupo Universal Franchising, com sede em São Lourenço, no Sul de Minas Gerais, a investir na abertura de uma nova rede de franquias, o Empório Mineiro Cheirin Bão. O objetivo é disponibilizar cafés especiais a preços acessíveis e também produtos tipicamente mineiros, como o pão de queijo, doces em compota e broas em todo o País. Somente em 2016, o faturamento da Cheirin Bão deve alcançar R$ 2 milhões, incremento de 40% frente ao ano anterior.
 
O diretor da Cheirin Bão, Wilton Bezerra, explica que a ideia de investir em uma franquia voltada para o café especial e produtos tradicionais da culinária mineira surgiu após observarem que praticamente toda produção de grãos especiais é exportada, mas que existe um mercado em crescimento no Brasil.
 
“Percebemos que o mercado de cafeterias, que trabalham com o café especial, concentra as vendas em clientes da “classe A” e que grande parte da produção de cafés especiais é exportada. Nosso objetivo foi criar uma empresa que pudesse trabalhar com este produto diferenciado para a população como um todo, pensando em popularizar o café especial no mercado interno. Para isso, criamos a marca e toda uma produção, oferecendo produtos de alta qualidade com preços mais populares, que propicia o acesso da maioria das pessoas”.
 
Por estar localizada no Sul do Estado, maior região produtora de cafés especiais do País, a empresa adquire cafés de produtores com certificação da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA, sigla em inglês). Por ano, a demanda gira em torno de 10 toneladas. Até o momento, são 38 produtores credenciados do município de Carmo de Minas. Todo o café comercializado pela Cheirin Bão passa por testes de qualidade e somente os grãos com nota na prova de xícaras acima de 85 pontos são adquiridos.
 
Para o lanche, quem compra o café do Sul de Minas também pode conhecer outros produtos típicos do Estado como broas, pão de queijo, doces, pimentas e cachaça, que também completam o portfólio da Cheirin Bão. Para quem gosta de preparar um café típico mineiro em casa, a empresa comercializa coadores e cafés empacotados. O preço da dose de 70 ml de café varia de R$ 4,50 a R$ 5,50 e o pacote de 250 gramas é vendido entre R$ 20 e R$ 24 reais.
 
“Queremos levar a cultura mineira para todo o País. Tem sido bem legal e ficamos bem felizes pela boa aceitação dos clientes. A cultura mineira já é amplamente reconhecida e quando as pessoas passam a acessar os produtos gostam muito. Oferecemos o diferencial da cultura mineira, preparando o café de maneira artesanal, coando doses únicas, por exemplo, e com opções de acompanhamento como o pão de queijo e bolos”.
 
Negócio - O modelo de negócio deu certo e a rede está em plena expansão. Hoje são 10 unidades em funcionamento e 25 pontos em fase de inauguração. Até o final do ano, a expectativa é iniciar o projeto de implantação de mais 15 unidades, somando 50 empórios. As unidades estão distribuídas pelo País, incluindo lojas de ruas e quiosques de shopping na Bahia, Rio de Janeiro, Brasília e Maranhão.
 
A empresa também vai atuar em Belo Horizonte, Juiz de Fora, São Paulo, Fortaleza e João Pessoa. O faturamento estimado para 2016 é de R$ 2 milhões, alta de 40% frente a 2015.
 
Além de atender o mercado consumidor, o Empório Mineiro Cheirin Bão é considerado uma oportunidade para novos empreendedores. Bezerra destaca que os custos com a franquia são acessíveis e, dependo da avaliação, o valor necessário para o investimento poder ser até 50% financiado pelo grupo.
 
O investimento mínimo para abertura de um quiosque da marca é de R$ 70 mil. No valor estão incluídos a entrega de R$ 10 mil em mercadorias para estoque, equipamentos, treinamento e estrutura física. O investimento para abertura de uma loja é de R$ 90 mil.
 
“Muitos profissionais que querem mudar de ramo de atuação ou diversificar a atividade estão buscando pela nossa franquia. Com a crise econômica e o aumento do desemprego, muitas pessoas também resolvem investir no próprio negócio e o Cheirin Bão é uma oportunidade”, explicou Bezerra.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink