Cana-de-açúcar

Cana-de-açúcar: 23,35 milhões de toneladas foram processadas em novembro

O volume corresponde aos primeiros 15 dias do mês e representa um aumento de 7,24% em relação a 2016
Por:
130 acessos

O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras do Centro-Sul atingiu 23,35 milhões de toneladas ao final da primeira quinzena de novembro, 7,24% superior ao verificado no mesmo período de 2016 (21,77 milhões de toneladas). Por outro lado, esse resultado representa uma redução de quase 7 milhões de toneladas no comparativo com a moagem registrada na quinzena precedente (30,02 milhões de toneladas nos últimos 15 dias de outubro de 2017).

No acumulado desde o início da safra 2017/2018 até 16 de novembro, a quantidade moída somou 552,95 milhões de toneladas, recuo em relação as 562,02 milhões registradas em igual período do ciclo 2016/2017. Portanto, em termos absolutos, persiste uma defasagem de aproximadamente 9 milhões de toneladas entre as duas safras.

Moagem de cana-de-açúcar

Simultâneo a essa defasagem da moagem acumulada ocorreu a melhora da qualidade da matéria-prima, sem prejuízos aos produtos sucroenergéticos. Em outras palavras, a retração da moagem foi integralmente compensada pelo maior teor de sacarose da planta, não diminuindo, portanto, o volume global de ATR disponível às produções de etanol e açúcar.

Até 16 de novembro, 82 unidades encerraram a safra no Centro-Sul, contra 115 até a mesma data do último ano. A saber, a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) está continuamente pesquisando as datas de término de moagem, efetivas e previstas, junto a todas as usinas e destilarias do Centro-Sul.

Qualidade da cana-de-açúcar

A concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de matéria-prima processada diminuiu nos 15 primeiros dias de novembro. O índice alcançou 132,64 kg por tonelada, ante 137,44 kg na mesma quinzena do último ano (queda de 3,49%) e 153,62 kg observados ao final de outubro de 2017 (13,66%).

Segundo o diretor Técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, “essa retração da qualidade era esperada, pois em outubro o ATR cana – aquele obtido a partir das análises em laboratório da planta entregue na unidade industrial – já sinalizava para uma queda de 2% a 3% nesse indicador.” No acumulado desde o início da safra 2017/2018 até 16 de novembro, o teor de ATR totalizou 137,58 kg por tonelada, crescimento de 2,57% sobre os 134,13 kg apurados no mesmo período do último ano.

Produção de açúcar e etanol

Com o preço internacional do açúcar pouco atrativo, a cana-de-açúcar segue direcionada majoritariamente à fabricação de etanol. Na primeira metade de novembro, 57,45% da matéria-prima processada destinaram-se à produção do renovável – significativamente acima dos 52,05% computados na mesma quinzena de 2016 e dos 57,15% contabilizados ao final de outubro de 2017. No acumulado até 16 de novembro desse ano, esta proporção atingiu 52,60%.

Para Padua, “esses números refletem a mudança no perfil de produção das usinas anexas (produtoras de açúcar e de etanol) e também o aumento da sua participação na moagem total do Centro-Sul”. Nos primeiros 15 dias de novembro, essa participação alcançou 87,01% – o maior percentual observado na safra 2017/2018. Adicionalmente, essas unidades anexas elevaram a proporção de cana direcionada à fabricação de etanol – atingindo 50,75% na primeira metade de novembro, contra 49,66% na quinzena anterior – e em termos efetivos,  têm reduzido seu rendimento em aproximadamente 10 kg de açúcar por tonelada de cana processada.

Com isso, mesmo diante da mencionada expansão da moagem nos 15 dias iniciais de novembro sobre 2016, a quantidade fabricada de açúcar caiu 8,16% nesse mesmo período, somando 1,26 milhão de toneladas. Em contrapartida, a produção de etanol aumentou 15,29%, com 1,06 bilhão de litros fabricados na primeira quinzena de novembro do ciclo atual. Deste volume, 599,97 milhões de litros são de etanol hidratado e 463,59 milhões de litros de etanol anidro.

No acumulado desde o início da safra 2017/2018 até 16 de novembro, a produção de açúcar totalizou 34,36 milhões de toneladas (alta de 2,36% em relação ao índice registrado até a mesma data do ano passado). A produção de etanol, por sua vez, somou 23,66 bilhões de litros (10,20 bilhões de litros de etanol anidro e 13,46 bilhões de litros de etanol hidratado), praticamente igual aos 23,61 verificados em 2016.

Importante destacar que esse volume fabricado de etanol já incluí aquele produzido a partir do milho, que totalizou 22,21 milhões de litros na primeira quinzena de novembro. No acumulado de abril até o dia 16 daquele mês, foram 228,39 milhões de litros fabricados a partir do milho, frente aos 92,05 milhões de litros em igual período no ciclo 2016/2017.

Vendas de etanol

O volume de etanol comercializado pelas unidades do Centro-Sul atingiu 1,10 bilhão de litros nos primeiros 15 dias de novembro, incremento expressivo de 15,17% sobre a mesma quinzena de 2016. Este crescimento foi impulsionado, mais uma vez, pelas vendas ao mercado doméstico de hidratado. Estas somaram 684,76 milhões de litros, frente a 503,16 milhões de litros registrados em igual período do último ano – incremento de 36,09%.

Em termos econômicos, “o hidratado segue competitivo em relação à gasolina nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Mato Grosso, responsáveis por quase metade da frota de veículos leves e motocicletas do País”, acrescentou Padua. O volume comercializado de etanol anidro no mercado interno alcançou 395,30 milhões de litros nos 15 primeiros dias de novembro. O produto também respondeu por praticamente todo os 23,25 milhões de litros exportados nessa quinzena.

 

 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink