Carne brasileira invade redes de fast-food nos Estados Unidos

Agronegócio

Carne brasileira invade redes de fast-food nos Estados Unidos

Desde agosto, quando passou a valer o acordo, o Brasil exportou 153,5 toneladas de carne in natura para os EUA
Por:
832 acessos

Cheeseburger, cheesebacon, você deve ter notado que todos esses nomes de sanduíche – que até vêm com ingredientes diferentes, mas têm no hambúrguer peça obrigatória – derivam do inglês. E não é à toa: as principais redes de fast-food são dos Estados Unidos. Agora, o que você pode não saber é que o patrimônio gastronômico norte-americano tem ganhado um sabor cada vez mais brasileiro.

Desde que os governos dos dois países assinaram um acordo liberando a exportação de carne bovina brasileira in natura para os EUA, em agosto, foram embarcadas 153,5 toneladas, conforme dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC). O presidente da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), Péricles Salazar, explica que os cortes enviados até agora são os dianteiros, usados pelos americanos para fazer hambúrguer: “é uma característica da demanda. Os cortes traseiros eles produzem lá”.
O assessor técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) Rafael Linhares avalia que a exportação, por enquanto, segue num ritmo moderado. Segundo a Abrafrigo, até o momento, há cinco frigoríficos credenciados, sendo que o processo de liberação, se tudo corre bem, dura em média 45 dias.

O mercado, no entanto, é promissor: além do hambúrguer pronto que já era exportado para os EUA, os criadores brasileiros ganharam mais um canal de comércio. “Agora enviamos a matéria-prima, também”, ressalta Rafael Linhares. “A carne será usada por redes de fast-food, é um incremento para nós”, completa.

Outro ponto de destaque é que os norte-americanos são vistos como referência em sanidade por outros compradores, como México, Canadá e Japão. “Abrindo as portas nos EUA, podemos abrir outros mercados”, salienta Salazar. “A visibilidade do Brasil é bem maior agora”, acrescenta Linhares.

As negociações para que o Brasil pudesse vender carne in natura para os Estados Unidos levaram ao todo 17 anos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink