Carne de laboratório pode ser mais nutritiva, diz estudo
CI
Imagem: Marcel Oliveira
ALTERNATIVA

Carne de laboratório pode ser mais nutritiva, diz estudo

Estudo foi feito nos EUA
Por: -Leonardo Gottems

Cientistas mostram que produtos de carne cultivados em laboratório podem oferecer nutrição melhorada em comparação com a carne produzida convencionalmente. E não apenas produz mais vitaminas e minerais, mas também reduz processos metabólicos que podem desencadear alguns tipos de câncer. 

Um grupo de pesquisadores da Tufts University, nos Estados Unidos, modificou geneticamente células musculares de vaca para produzir nutrientes vegetais que não são encontrados nativamente nas células bovinas. Usando a mesma via carotenóide explorada no arroz dourado (um arroz transgênico que produz beta-caroteno), eles induziram células bovinas a produzir beta-caroteno, ou a pró-vitamina A geralmente encontrada em cenouras e tomates. 

Ao fazer isso, eles mostraram que a carne cultivada em células poderia superar o perfil nutricional da carne convencional. 

"As vacas não têm nenhum dos genes para produzir beta-caroteno", disse Andrew Stout, principal autor do estudo e aluno de doutorado em engenharia biomédica na Tufts University. "Projetamos células musculares de vaca para produzir este e outros fitonutrientes, o que por sua vez nos permite transmitir esses benefícios nutricionais diretamente a um produto cárneo cultivado de uma forma que provavelmente não é viável por meio de animais GM e da produção de carne convencional”, completou. 

Essas descobertas, publicadas na revista Metabolic Engineering , são, para os pesquisadores, a prova do princípio do uso da engenharia genética e da agricultura celular para criar novos alimentos. Em vez de simplesmente imitar a carne atualmente no supermercado, os produtos à base de cultura de células são capazes de assumir diferentes formas, texturas, perfis nutricionais e bioatividades. 

"Vimos uma redução nos níveis de oxidação lipídica quando cozinhamos um pequeno pellet dessas células quando elas expressavam e produziam este beta-caroteno. Como a oxidação de lipídios é uma das principais proposições mecanicistas para a ligação de carnes vermelhas e processadas com doenças como câncer colorretal, acho que há um argumento bastante convincente para dizer que isso poderia reduzir potencialmente esse risco”, concluiu. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink