CBSOJA debate impacto das mudanças climáticas para soja

Agronegócio

CBSOJA debate impacto das mudanças climáticas para soja

O objetivo do painel é discutir os cenários climáticos globais e regionalizados, traçando um panorama do que irá ocorrer com o clima nos próximos 20, 50 e 100 anos
Por:
260 acessos
Um dos setores mais afetados pelas mudanças climáticas globais –concentração de CO2, aumento na temperatura global e alteração no regime de chuvas - é a agricultura. Para debater o assunto está programado um painel sobre o tema no V Congresso Brasileiro de Soja e do Mercosoja 2009, a serem realizados concomitantemente entre os dias 19 e 22 de maio, em Goiânia (GO), pela Embrapa Soja, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O objetivo do painel é discutir os cenários climáticos globais e regionalizados, traçando um panorama do que irá ocorrer com o clima nos próximos 20, 50 e 100 anos. Em função deste cenário, o painel pretende projetar como se dará a produção de grãos, em especial a produção de soja. “Também queremos fazer uma análise da vulnerabilidade econômica da produção de soja, decorrente dos cenários apresentados”, explica o presidente do evento, José Renato Bouças Farias, pesquisador da Embrapa Soja.

Para ele, no caso da soja, o principal impacto destas mudanças climáticas ocorre, em função do aumento da temperatura. Quanto mais alta a temperatura, maior a necessidade de água. Segundo Farias, na situação atual a semente de soja necessita absorver, no mínimo, 50% de seu peso em água para assegurar boa germinação. “A água desempenha a função de solvente, através do qual gases, minerais e outros produtos entram nas células e movem-se pela planta. Além disso, a água regula a temperatura da planta, agindo tanto no resfriamento quanto na manutenção e distribuição de calor”, diz.

Na avaliação do pesquisador da Embrapa, a safra 2008/2009, contou com eventos climáticos extremos numa mesma região, que hora foi afetada por seca ou por excesso de chuva. O Paraná foi bastante afetado pela seca, tanto que houve redução na produtividade de grãos. “Por outro lado, observa-se fenômenos inversos. O volume de chuva que caiu na cidade de Pelotas (RS), por exemplo, foi recorde: 600 milímetros num único dia”.

Para Farias, estes reflexos precisam ser melhor estudados para que todo o setor produtivo esteja preparado para reduzir os impactos das mudanças climáticas na produção agrícola. “Hoje a pesquisa está fazendo a sua parte, por intermédio do desenvolvimento de plantas mais tolerantes à seca e a incorporação de genes que conferem maior tolerância à seca”, explica. “Atualmente o que produtor tem em mãos são as práticas de manejo de solo e da cultura. Somente estas práticas podem auxiliar no maior armazenamento e oferta de água, minimizando os impactos negativos”.

O V Congresso Brasileiro de Soja e o Mercosoja 2009 irão contar com a presença de 58 palestrantes renomados, sendo 15 estrangeiros. A programação prevê a realização de 4 conferências, 10 painéis, 1 seminário e 5 minicursos. Além disso, haverá espaço para apresentação de 450 trabalhos científicos, no formato de pôsteres.

Mais informações sobre o evento podem ser obtidas pelo telefone (43) 3025-5223 ou pelo site www.cbsoja.com.br
 
As informações são da assessoria de imprensa do Evento.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink