Ceará terá 49 mil toneladas de milho; Cid fala em 'operação de guerra'

Agronegócio

Ceará terá 49 mil toneladas de milho; Cid fala em 'operação de guerra'

Por:
398 acessos
Das 340 mil toneladas de milho que serão subsidiadas pelo Governo Federal para o Nordeste, 49 mil virão para o Ceará via cabotagem 

O governador Cid Gomes chamou de "operação de guerra" os esforços do Estado e da União para reduzir os impactos da seca no Ceará, principalmente no que concerne à distribuição do milho para os rebanhos, que estão morrendo na maior estiagem dos últimos 50 anos. Das 340 mil toneladas de milho que serão subsidiadas pelo Governo Federal para o Nordeste, 49 mil toneladas virão para o Ceará via cabotagem e desembarcarão no Pecém. O montante do grão seria suficiente para atender aos rebanhos durante os meses de abril e maio.


De acordo com Cid, o milho será distribuído via cabotagem pela União, e será enviado para os municípios, pelo Governo do Estado, por trem e caminhões. 

"Um navio de 50 mil toneladas pode trazer o equivalente a 1.300 caminhões. No momento que foi apresentada a proposta de cabotagem, os ministros Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e Leônidas Cristino (Portos) se envolveram e perguntaram se os Estados poderiam assumir a responsabilidade pela distribuição. Eu, ontem mesmo, chamei os diversos envolvidos, de maneira que o milho seja distribuído o mais rápido possível", garantiu o governador.


A distribuição no Ceará será feita através das ferrovias Norte e Sul, atendendo a diversos polos regionais. A primeira cobrirá municípios como Umirim, Itapipoca, Sobral, Crateús, dentre outros. Já a Sul passa por municípios como Baturité, Quixadá, Quixeramobim, Senador Pompeu, Acopiara, Iguatu, Acopiara, Juazeiro e Crato.


Cidades como Morada Nova, Limoeiro do Norte e Russas, pelos quais não passa linha de ferro, serão atendidas por caminhões ou logística mista (ferrovia e caminhão).

O milho, conforme o governador Cid Gomes, chegará através do Porto do Pecém. "Apesar de não ser um terminal graneleiro, temos equipamentos para transportar do berço de atracação até os depósitos", explicou.

Dois armazéns infláveis, um dentro e outro fora do porto, receberão os grãos. Cada um terá capacidade para 25 mil toneladas de milho.

Na quarta-feira (3), uma reunião em Brasília, que contará com a participação do secretário da Agricultura do Estado, Nelson Martins, detalhará como esse milho será distribuído. "O esquema do Ceará pode se tornar referência", afirmou o governador.



Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink