Cepea registra forte queda nos preços do milho

COTAÇÕES

Cepea registra forte queda nos preços do milho

"Pressionados pelo aumento do ritmo de colheita"
Por: -Leonardo Gottems
433 acessos

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) acabou registrando mais uma forte queda nos preços do milho, nas principais praças do País. De acordo com o especialista Luiz Fernando Pacheco, analista da T&F Consultoria Agroeconômica, os preços foram pressionados por diversos fatores. 

“A pesquisa diária do Cepea acusou forte queda nos preços médios do milho na principal região de referência do produto no país, Campinas, neste primeiro dia de abril (antes fosse uma mentira!). Pressionados pelo aumento do ritmo de colheita e do consequente aumento da disponibilidade do produto em vários estados, os preços do milho caíram 2,62% no interior do país”, afirma. 

Além disso, Pacheco indicou também que os embarques efetivos de milho para o exterior foram levemente menores na semana passada. “Segundo Índice T&F/Alphamar os embarques semanais atingiram 329.962,81 toneladas, contra 352.722,92 toneladas embarcadas na semana anterior. Já para o primeiro trimestre os embarques de milho foram maiores. O país exportou 891,9 mil toneladas em março e 6,8 milhões de toneladas nos três primeiros meses do ano, ante 4,88 milhões no mesmo período de 2018”, explica. 

Nesse cenário, os exportadores acreditam que os embarques de milho vão ganhar força em abril e maio, em meio à necessidade de liberar espaço nos armazéns para a segunda safra do cereal, a ser colhida em meados do ano. “As cotações de milho na B3 começaram o mês de abril em queda para os meses de maio (-0,43%), julho (-0,28%) e novembro (-0,09%). Todos os demais meses cotados fecharam inalterados, neste primeiro dia de pregão de abril”, indica. 

“Segundo o relatório diário da XP Agro, o mercado interno dos grãos está de olho no mercado externo. De maneira geral, a pressão é baixista, influenciada pelas quedas recentes na taxa de câmbio e das referências em Chicago. Na sexta-feira (29), o USDA revisou a projeção de área plantada em +5,41%, agora em 37,55 milhões de há", conclui. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink