China e Coreia compram milho do Brasil
CI
Imagem: Leonardo Gottems
DEMANDA FORTE

China e Coreia compram milho do Brasil

Uma série de compras de quase todas as principais associações de alimentação
Por: -Leonardo Gottems

A falta de vendedores dispostos a oferecer milho dos Estados Unidos tem forçado os principais compradores asiáticos a buscar outras origens, com o Brasil e a Argentina recebendo ofertas adicionais. É o que informa a T&F Consultoria Agroeconômica, destacando a demanda da China e da Coreia do Sul pelo cereal brasileiro.

“Uma série de compras de quase todas as principais associações de alimentação da Coreia do Sul na terça-feira viu uma enxurrada de 400.000 toneladas de negócios de milho, com datas de embarque entre outubro e novembro. Todas as negociações foram feitas citando uma origem sul-americana, com ofertas dos EUA pouco competitivas”, aponta a T&F.

De acordo com dados disponíveis, a carga de milho de origem do Brasil em outubro é cerca de US$ 3-4/t mais barata que a PNW. “Considerando os custos de frete, o Brasil ainda não seria a origem mais competitiva para os compradores sul-coreanos e japoneses, mas a crescente falta de milho na PNW significa que os compradores habituais para essa origem não conseguem obter ofertas, empurrando-os para a América do Sul”, acrescentam os analistas.

De acordo com a T&F, a compra contínua chinesa de milho dos EUA está elevando as indicações de preço nos principais centros de exportação do país de agora até 2021, à medida que os exportadores lutam para acomodar fortes programas de exportação de soja e milho, segundo fontes comerciais.

“Parece que a maioria dos comerciantes, tanto na PNW, quanto no Golfo, já estão com as capacidades esgotadas e os armazéns de janeiro também estão sendo preenchidas. A partir de janeiro, é possível obter ofertas, mas estará sujeita ao movimento adicional da China”, disse um comerciante asiático nesta terça-feira.

“As negociações de soja e milho para a China têm sido muito pesadas e a execução agora é concluída principalmente até o quarto trimestre. O comércio está antecipando que a execução de janeiro também seja apertada”, disse um corretor com sede nos EUA.

Segundo a T&F, outro aviso de vendas privadas de exportação do USDA confirmou que o apetite da China permanece forte, captando outros 140.000 t vendidos na segunda-feira, enquanto outros 320.000 t de milho foram registrados para destinos desconhecidos – provavelmente também indo para a China.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink