China faz mais 3 negócios com soja brasileira

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Divulgação
COMÉRCIO

China faz mais 3 negócios com soja brasileira

Bolsas refletem o desinteresse momentâneo por países importadores de farelo de soja
Por: -Leonardo Gottems

No mercado CFR China, uma remessa de junho e uma remessa de julho foram negociadas para a China durante a noite de quinta-feira para esta sexta-feira, segundo informações divulgadas pela TF Agroeconômica. Alguns trituradores buscavam mais embarques de soja brasileira em maio e junho para cobrir a demanda, apesar das fracas margens de esmagamento. 

“O embarque de maio foi oferecido a 142 c/bu sobre o futuro de maio na sexta-feira e o embarque de junho foi indicado a 153 c/bu sobre o futuro de julho. O  indicador  CFR  China  para  embarque  em  maio  foi avaliado  em  135  c/bu  sobre  o  futuro  de  maio, equivalente a $ 566,25/t, queda de $ 4,75/t em relação à avaliação anterior. No mercado de originação,  uma remessa de  junho do Brasil mudou de mãos a 31 c/bu em relação ao futuro de julho na base FOB Santos. Enquanto  um  embarque  de  maio  foi  acordado  em  -10 c/bu para os futuros de maio”, comenta. 

No mercado de papel, um carregamento de junho foi negociado a 23 c/bu sobre o futuro de julho no mercado FOB Paranaguá, equivalente a $ 521,75/t. Nos derivados, as bolsas refletem o desinteresse momentâneo por países importadores de farelo de soja, como China e o bloco da União Europeia. 

“Em  relação ao  início  da semana, a commodity apresentou variação negativa de -0,95%, encerrando neste dia 26 próxima dos US$ 403,00 por tonelada curta. Em  relação  à  União  Europeia,  sites  internacionais relatam  que  as  importações  de  farelo  de  soja continuaram em queda desde o início da temporada de comercialização de 2020-21, o  que considera os meses de  junho  do  ano  passado  até  junho  deste  ano.  Muito disso  deve-se  à  baixa  oferta  do  Brasil  e  da  Argentina, principais fornecedores do bloco”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink