China pode repor estoque agrícola; preços tendem a subir

Agronegócio

China pode repor estoque agrícola; preços tendem a subir

O país já é o maior importador mundial de algodão
Por: -Naveen Thukral e Niu Shuping
967 acessos
A China, surpreendida pelo rali nos mercados de milho, algodão e açúcar, poderá ser forçada a recompor suas reservas estratégicas que foram reduzidas durante tentativa frustrada do governo de esfriar os preços locais com vendas dos estoques.

As compras pelo maior consumidor global de algodão e o segundo maior de milho e açúcar poderão resultar em novo movimento de alta dos preços que já estão próximos de valores recordes e picos de vários anos.

A China, que compra cerca de 60 por cento da soja negociada em todo o mundo, poderá entrar no mercado para comprar mais de 5 milhões de toneladas de milho em 2011, de acordo com alguns analistas, quase quatro vezes mais que o previsto para este ano e tornando-se, potencialmente, o quinto maior importador global.

O país já é o maior importador mundial de algodão.

"Os preços futuros da China estão subindo, os números mostram importações maiores e há estoques do governo sendo liberados no mercado -- todos estes fatores sinalizam para um nível de abastecimento menor que o esperado", disse Sudakshina Unnikrishnan, analista do Barclays Capital, em Londres.

Analistas e traders dizem que os estoques de milho da China podem ter caído abaixo de 10 milhões de toneladas, menos que o abastecimento de um mês, após a liberação de cerca de 45 milhões de toneladas para o mercado local desde o início de 2009.

Da mesma forma, as reservas de algodão, cujo preço saltou para nova máxima esta semana tanto em Nova York como Zhengzhou, podem estar abaixo de 300 mil toneladas, menos de 5 por cento da produção anual, e as de açúcar em 200 mil toneladas, suficiente para cerca de 2 semanas de abastecimento.

O país vendeu 1,7 milhão de toneladas de açúcar no ano fiscal encerrado em setembro de 2010 e 2,1 milhões de toneladas de algodão desde setembro do ano passado.
 
Pequim estoca grandes volumes de commodities agrícolas, incluindo soja, colza, milho, açúcar e algodão, para ajudar a ajustar a oferta e melhorar o rendimento dos produtores em 2008/09.

Neste ano, o país vendeu suas reservas de milho, algodão, açúcar e óleo de colza, mas as vendas não foram suficientes para acalmar os mercados, com o algodão e o açúcar testando níveis recordes, o que para os analistas indica o baixo nível dos estoques frente à forte demanda.

PRESSÃO RECAI EM OFERTA

O passo da China de buscar volumes adicionais para melhorar os estoques poderá resultar em novo ajuste da oferta global, diante das produtividades menores para o milho nos Estados Unidos; da chuva que afeta o algodão no Texas, região onde se produz metade da produção norte-americana da pluma; e perspectivas de queda na produtividade da cana no Brasil.

Os rumores sobre as compras chinesas de milho na semana passada puxaram os preços do milho nos Estados Unidos para os maiores níveis em 2 anos na bolsa de Chicago, embora estas operações não tenham sido confirmadas.

A China, cuja produção de milho tem ficado estável entre 155 e 165 milhões de toneladas nos últimos anos, está tentando atender a crescente demanda global que avança em um ritmo de 10 a 15 por cento ao ano.

A China poderá enfrentar um déficit de mais de 7 milhões de toneladas de milho neste ano, de acordo com a consultoria Shanghai JC Intelligence.

As compras chinesas de milho neste ano devem ficar em 1,3 milhão de toneladas, o maior volume em 15 anos, e são vistas como o principal fator a direcionar os futuros da commodity nos Estados Unidos e na China.

No caso do algodão, os preços futuros atingiram novas máximas esta semana, sustentados pelas chuvas que afetam as lavouras do Texas.  
 
A China adquiriu grandes quantidades de algodão no mercado internacional nos últimos meses, com importações de setembro quase duas vezes maiores que o normal mensal, chegando a 201 mil toneladas.

"Diferente do trigo e arroz, a China depende fortemente das importações de algodão e o mercado vem questionando quando o governo vai recompor suas reservas depois de ter vendido a maior parte de seus estoques", disse Zhang Ruming, analista da Dalian Liangyun Futures.

O país mais populoso do mundo também está tentando limitar o avanço dos preços domésticos de açúcar até o período de colheita e deve liberar mais estoques de suas reservas estatais, o que pode puxar as importações neste ano, segundo analistas.

A demanda chinesa por açúcar cresce a uma taxa média de 6 por cento ao ano, o que significa que deve haver uma demanda adicional de 800 mil toneladas em 2010/11, com base na estimativa de consumo de 14 milhões de toneladas em 2009/10.

A China importou 1,365 milhão de toneladas de açúcar entre janeiro e setembro de 2010, aumento de 43,33 por cento sobre o mesmo período do ano passado.

O principal fornecedor de açúcar para a China é o Brasil. O país compra milho dos Estados Unidos e algodão da Índia e também dos Estados Unidos.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink