Chuvas intensas podem atingir o café
CI
Imagem: Marcel Oliveira
AGROTEMPO

Chuvas intensas podem atingir o café

Saiba os estados que podem ser atingidos
Por: -Aline Merladete

Neste final de semana, a presença de uma área de baixa pressão no oceano, alinhada com uma frente fria que já estava atuando sobre a costa do sudeste, fortalece as instabilidades sobre esta área do país. Este acoplamento de sistemas favorece a formação de mais um episódio da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), que consiste em um corredor de umidade e instabilidades bem configurado, ligando a região norte com o oceano.

Acompanhe diariamente a previsão do tempo aqui. 

O posicionamento deste evento da ZCAS, irá provocar chuvas com altos volumes pluviométricos sobre as áreas produtoras de café de MG e ES. As chuvas podem superar os 240 mm em alguns pontos de MG, como na grande região de Lagoa da Prata e Manhuaçu. Até mesmo em algumas áreas do oeste mineiro poderão presenciar fortes temporais. No ES, as chuvas mais intensas ocorrem sobre os extremos do estado, norte e sul, com volumes superando os 150 mm em algumas áreas. 

Áreas produtoras de café. Fonte: IBGE

A tendência é de que essas chuvas sejam frequentes e sem períodos de melhoria no tempo, no decorrer deste sábado (08) e domingo (09/01). Além disso, em alguns momentos, as chuvas poderão ocorrer com forte intensidade, provocando altos volumes de chuvas em curtos períodos de tempo. 

O sistema continuará atuando no decorrer da semana, elevando ainda mais a quantidade de água no solo e o molhamento foliar. A expectativa é de que até pelo menos quinta feira, as chuvas continuem atuando na região.

Impactos do excesso hídrico no café.

O cafeeiro não tolera solos sujeitos a encharcamentos. Caso ocorram 3 a 4 meses de chuvas intensas, o solo, encontrando-se muito encharcado e com pouca aeração, favorece a falta de oxigenação no sistema radicular, levando à clorose generalizada.A Persistência do encharcamento poderá ocasionar o apodrecimento das raízes, levando a planta à morte. 

Durante o período de recuperação do crescimento das gemas florais, após quebra da dormência que, no Brasil, normalmente se estende de agosto a outubro, a ocorrência de chuvas pesadas e contínuas pode resultar em anomalias florais de vários tipos. Pouca luz e chuvas intermitentes de baixa intensidade podem induzir à formação de várias floradas sucessivas.

Material exclusivo elaborado pela equipe Agrotempo.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.