Cientistas repensam domesticação das plantas
CI
Imagem: Pixabay
ESTUDO

Cientistas repensam domesticação das plantas

Muitos dos traços de domesticação iniciais em plantas são semelhantes em diferentes espécies
Por: -Leonardo Gottems

As plantas consumidas para alimentação mudaram drasticamente nos 10.000 anos desde que os humanos começaram a cultivar, mas os hominíneos têm interagido intensamente com as plantas e animais ao seu redor desde antes do alvorecer de nossa espécie, informou a Max Planck Society. À medida que os humanos perceberam a capacidade de modificar as safras por meio da reprodução seletiva, a evolução de novas características nas plantas aumentou consideravelmente. 

Em um novo estudo publicado na  Trends in Plant Science, o Dr. Robert Spengler examina essas respostas evolutivas e teoriza que todas as primeiras características que evoluíram nos parentes selvagens das modernas plantações domesticadas estão relacionadas à dispersão de sementes humanas e à necessidade evolutiva de uma planta para espalhar sua descendência. 

Muitos dos traços de domesticação iniciais em plantas são semelhantes em diferentes espécies de culturas, um fenômeno que os biólogos evolucionistas chamam de evolução paralela. Por exemplo, em todas as culturas de gramíneas com sementes grandes, por exemplo, trigo, cevada, arroz, aveia, a primeira característica da domesticação é o endurecimento da raque (o caule único que sustenta um grão de cereal na espiga). Da mesma forma, em todas as leguminosas com sementes grandes, como ervilhas, lentilhas, feijão-fava e feijão, a primeira característica da domesticação é uma vagem que não se quebra. 

Arqueobotânicos que estudam a domesticação inicial de plantas concordam que a evolução da raque mais resistente nas safras de cereais foi o resultado do uso de foices para colher grãos. Durante uma colheita, os espécimes com o ráquis mais frágil perderam suas sementes, enquanto as plantas com a raque mais resistente se beneficiaram protegendo e guardando suas sementes para o ano seguinte.  


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink