CITROS

Citricultura da Argentina cresce e já exporta US$ 1.2 bilhão

País tenta recuperar antigos mercados
Por: -Leonardo Gottems
231 acessos

O caso da abertura dos envios dos limões argentinos aos Estados Unidos ajudou a visibilizar um setor vital da economia argentina e que vem crescendo recentemente. Com cerca de 5.200 produtores e mais de 300 plantas de processamento que empregam a mais de 100 mil pessoas, a citricultura corresponde a 4% do PIB argentino e exportou US$ 1,2 bilhão no ano passado. O tamanho do setor compete diretamente com a pecuária no país vizinho. Na citricultura, o Brasil lidera o mercado mundial com a produção de sucos de laranjas, ao pasos que a Argentina tem a maior produção mundial de sucos de limões.

"Somos o principal tomador de mão de obra de toda a produção primária de alimentos do país, muito superior à produção extensiva de grãos", disse José Carbonell, presidente da Federcitrus, a associação que une os empresários do setor na Argentina. "Estamos vindo de cenário de crescimento, estamos realizando investimentos muito significativos com baixo nível de endividamento e um importante cumprimento fiscal", acrescentou Carbonell.

A atividade se concentra principalmente nas regiões Noroeste e Nordeste do país vizinho. O principal destino das exportações é a União Europeia, mas também há uma forte presença no Canadá, Oriente, Rússia e Ucrânia. "Com um importante acompnhamento do governo, nós podemos emprender uma abertura de novos mercados. Alguns muito sonoros como o norte-americano com o limão e outros menos conhecidos como o vietnamita, a reabertura da Indonésia e as primeiras exportações de laranja para a Coreia do Sul", disse o presidente da Federação.

Os argentinos também tentam ter acesso ao mercado chinês de cítricos e insiste na tentativa de recuperar o mercado japonês. "Mas o grande desafio é a condução e reconquistar o mercado latino-americano. Neste sentido, a abertura que tivemos neste ano no México e no Brasil é muito significativa e sobretudo dá muita projeção para o futuro," explicou Carbonell.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink