CNA debate orçamento do Funcafé e propostas do Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

PAP 2018/2019

CNA debate orçamento do Funcafé e propostas do Plano Agrícola e Pecuário 2018/2019

CNA se reuniram na quinta (3) para debater as propostas da entidade para o PAP 2018/2019 e o orçamento do Funcafé
Por:
127 acessos

Representantes da Comissão Nacional do Café da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniram na quinta (3), em Brasília, para debater as propostas da entidade para o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2018/2019 e o orçamento do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé).

De acordo com o presidente da Comissão, Breno Pereira de Mesquita, o volume de recursos no Funcafé será de 4,96 bilhões destinados às linhas de financiamento e estará disponível de 1º de julho até 30 de junho do ano seguinte. “Nós estamos trabalhando para que parte do recurso do fundo seja antecipado e disponibilizado a partir deste mês, justamente para que o produtor inicie a safra capitalizado e com recurso à disposição”.

Durante a reunião, foram reforçadas as propostas da CNA para o novo Plano Agrícola e Pecuário, que já foram entregues ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Uma das demandas é a retirada da obrigatoriedade das taxas de elaboração de projetos e assistência técnica.

Segundo a assessora técnica da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, Fernanda Schwantes, neste ano a entidade buscou trabalhar com a redução dos custos intrínsecos à contratação do crédito rural. “Uma proposta é não precisar mais apresentar um projeto de custeio ou de algumas linhas de investimento que custam em torno de 2% do valor do projeto. Acreditamos que esse custo é bastante elevado num cenário de taxa de juros de 5 a 6%”.

Para a cafeicultura, foi solicitado o aumento do prazo máximo para reembolso do crédito de custeio agrícola de 14 meses para 20 meses, já que o prazo atual inviabiliza a tomada de recursos de pré-custeio para essas atividades. Também foram abordados outros temas como seguro rural, spread bancário e financiamento como um todo.

Para o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz, será necessário adequar as propostas do setor rural ao orçamento da União. “Nós temos uma limitação de recursos para se trabalhar, mas vamos ajustar as demandas, de maneira que o produtor siga lucrando na sua atividade. Certamente, as propostas apresentadas pela CNA contribuirão para as tomadas de decisão do ministério”.

Na reunião, o assessor técnico da CNA, Maciel Silva, apresentou os resultados e a novas etapas da Campanha da broca-do-café. “A primeira fase foi alertar os cafeicultores sobre o monitoramento da doença nas lavouras. A segunda fase da campanha foi sobre o controle da broca”, explicou Maciel.

Temas como sustentabilidade, política cafeeira internacional e fitossanidade também foram debatidos. Os encaminhamentos serão trabalhados nos próximos meses. O secretário de Política Econômica e Meio Ambiente do Ministério da Fazenda (MF), Ivandré Montiel, participou do encontro.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink