CNA defende preço mínimo e salvaguarda para o arroz
CI
Agronegócio

CNA defende preço mínimo e salvaguarda para o arroz

As liberações de recursos não são suficientes para resolver o problema
Por: -Giuliano

O Ministério da Agricultura (Mapa) anunciou a liberação de R$ 700 milhões em operações de empréstimo para os produtores de arroz. A intenção do governo é dirimir os prejuízos dos produtores que perderam receita nas últimas safras. Na avaliação de Rosemeire dos Santos, assessora técnica da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), liberações compulsórias de recursos pelo governo na fase de colheita ou comercialização não são suficientes para resolver o problema do endividamento dos arrozeiros. Para a recuperação do setor, a CNA defende a fixação do preço mínimo do produto e restrições à importação.

“Os produtores de arroz só irão sanar suas dívidas se o governo adotar uma política de sustentação de preços, que garanta ao produtor o preço mínimo para cobrir os custos de produção, e se forem aplicadas medidas de salvaguarda sobre as importações do produto”, afirma Rosemeire. Ela explica que os produtores não têm conseguido pagar as dívidas contraídas ao longo dos anos porque a receita obtida com a comercialização do produto tem sido menor do que os gastos aplicados no plantio. ”A rentabilidade do arroz é baixa e o custo de produção é muito alto. No sul do país, por exemplo, onde é cultivado o arroz irrigado, um hectare plantado custa cerca de R$ 3 mil”, ressalta.

A assessora técnica destaca que a entrada do produto no Brasil por meio do Mercosul também desestabilizou os produtores. Segundo estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a importação do produto em 2006 deve superar a marca de 1,4 milhões toneladas, volume bem maior que as 750 mil toneladas importadas em 2005, e também superior ao montante negociado em 2004 (728 mil toneladas). As informações são da assessoria de imprensa da CNA.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink