CNA e FenSeg debatem desafios do seguro rural para safra 2021/2022

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o nosso site e as páginas que visita. Tudo para tornar sua experiência a mais agradável possível. Leia nossos Termos de Uso e Termos de Privacidade. Ao clicar em Aceitar & Fechar, você consente com a utilização de cookies.


CI
Imagem: Divulgação
AGRONEGÓCIO

CNA e FenSeg debatem desafios do seguro rural para safra 2021/2022

CNA e a FenSeg se reuniram, na segunda (19), para debater os desafios do seguro rural para 2021/2022
Por:

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e a Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg) se reuniram, na segunda (19), para debater os desafios do seguro rural para 2021/2022. O encontro contou com a participação do presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA, deputado federal José Mário Schreiner (DEM/GO), do presidente da Comissão de Seguro Rural da FenSeg, Joaquim Neto, e do coordenador técnico da Comissão de Política Agrícola do Instituto Pensar Agropecuária (Ipa), Célio Porto, além da assessora técnica de Política Agrícola da CNA, Fernanda Schwantes.

O principal tema da reunião foi a discussão de estratégias para reverter o corte no orçamento para o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR). O cancelamento foi de R$ 84,7 milhões. O Mapa tinha anunciado R$ 1,3 bilhão no Plano Agrícola e Pecuário (PAP), porém na proposta orçamentária o valor foi reduzido para R$ 1,06 bilhão e sofreu um novo corte no relatório do senador Márcio Bittar (MDB-AC).

Durante o encontro, ficou decidido que o presidente da Comissão Nacional de Política Agrícola da CNA vai solicitar uma audiência pública com o objetivo de mostrar a importância do seguro rural. A ideia é reunir setor produtivo, seguradoras, resseguradoras, corretores de seguros e o Governo para reivindicar a recomposição dos recursos para 2021.

“Queremos mostrar como o seguro tem atendido pequenos e médios produtores e contribuído para que sejam necessários menores volumes de recursos para renegociação de dívidas”, disse José Mário Schreiner.

No ano passado, o Governo empenhou quase R$ 881 milhões em subvenção e as seguradoras pagaram mais de R$ 2,5 bilhões em indenizações aos produtores.

Segundo os representantes da FenSeg, o índice de sinistralidade está alto para as seguradoras, mas eles consideram que o cálculo precisa ser avaliado em um período maior (de 5 a 10 anos). O pedido de recomposição do orçamento é para que o mercado continue crescendo e mantendo o objetivo de oferecer segurança ao produtor e às cadeias de produção.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink