Colheita do milho avança e revela perda de produtividade em MS
CI
Agronegócio

Colheita do milho avança e revela perda de produtividade em MS

Porém, com o avanço das máquinas já é possível identificar um cenário de prejuízo em várias regiões produtoras do Estado
Por:
A estimativa dos técnicos é que a colheita do milho safrinha em Mato Grosso do Sul seja concluída no final deste mês. Até o momento, cerca de 50% da área de 870 mil hectares já foram colhidos. Porém, com o avanço das máquinas já é possível identificar um cenário de prejuízo em várias regiões produtoras do Estado.

Segundo o presidente da Aeagran (Associação dos Engenheiros Agrônomos da Grande Dourados) Bruno Tomasini, as geadas, principalmente na região sul, e o longo período de estiagem em boa parte das lavouras do Estado contribuíram de forma significativa para o mau desempenho das plantas.

"Constatamos que existem vários níveis de prejuízos. As lavouras plantadas antecipadamente tiveram menos problemas. Então podemos dizer que cerca de 15% das lavouras apresentaram um bom rendimento. O problema é que a maior parte foi seriamente afetada e não vai render o que se esperava", disse Tomasini.

Na região sul do Estado, onde se concentra a maior parte das lavouras, a média geral de produtividade deve oscilar entre 45 e 50 sacas por hectare, o que corresponde a um total de 2,7 mil quilos a 3 mil quilos por hectare, respectivamente.

Mesmo sem o balanço final da lavoura já é possível constatar que a média projetada pela CONAB (COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO) antes da colheita não se confirmará. Na estimativa feita ainda no primeiro semestre a expectativa era colher no Estado cerca de 2,9 milhões de toneladas do milho safrinha.

ZONEAMENTO

Mato Grosso do Sul e mais quatro Estados brasileiros já estão desenvolvendo ações de zoneamento agrícola de risco climático para o milho. A determinação é do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que publicou portarias no mês passado abrangendo Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais.
Classificado como um estudo e atuando como um comportamento defensivo, o zoneamento agrícola de risco climático analisa quais os melhores períodos para plantio por município, por tipo de solo e por ciclo de cultivares, de forma a reduzir as chances de adversidades climáticas. A expectativa é de que as colheitas sejam favoráveis por oito anos, e que os resultados sejam satisfatórios por dez anos.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.