Colheita lenta limita oferta de milho safrinha
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,650 (0,00%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (0,74%)

Imagem: Marcel Oliveira

BRASIL

Colheita lenta limita oferta de milho safrinha

Essa é a primeira semana que o patamar está abaixo da média
Por: -Leonardo Gottems
120 acessos

A colheita lenta do milho safrinha em algumas partes do país, como Paraná e Mato Grosso do Sul e a retenção de vendas acabaram limitando a oferta atual do cereal no Brasil, segundo informações divulgadas pela ARC Mercosul. Outro destaque da consultoria foram as fortes vendas antecipadas para 2021. 

“Colheita da safrinha brasileira em 55%, ritmo abaixo dos 70% de 2019 e 60% de 2018. Paraná registra o maior atraso. Compromissos de exportação alcançaram 8,24 milhões de toneladas, resultado 46% inferior ao mesmo período de 2019”, comenta. 

Em relação à Chicago, a consultoria classificou a situação como apatia especulativa. “A intensificação dos conflitos políticos entre EUA e China continuam amedrontando todo o mercado, uma vez que a queda de demanda pelo grão norte-americano adiciona um peso pessimista sobre as cotações da CBOT”, completa. 

No Brasil, a ARC observa que o motivo para a lentidão recente tem sido os trabalhos de campo atrasados no Mato Grosso do Sul e Paraná, onde todo o ciclo do milho foi postergado por um plantio tardio e a colheita postergou com a chegada de chuvas inesperadas no início de julho. Por outro lado, a oferta nacional de milho continua robusta, com expectativas de produtividades ainda regulares tomando como base os talhões já colhidos. 

“O curioso é que está foi a primeira semana da colheita safrinha 2020 que o ritmo desacelerou para patamares marginalmente abaixo da média”, afirma. 

No mundo, “chuvas agressivas continuam pairando sobre quase toda a região agricultável da China. No Sul do país, enchentes e perdas expressivas já são observadas, principalmente em regiões de pastagens. A zona urbana tem sido a mais impactada, o que causa maiores problemas no lado da demanda do que no lado da oferta por alimentos”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink