Agronegócio

Combate à Helicoverpa armigera: “Temos que aprovar as novas moléculas”

Para consultor José Tadashi, deve-se fortalecer assistência técnica
Por: -Leonardo Gottems
4867 acessos

 
Do alto de seus mais de 40 anos de experiência com pesquisa em soja, o consultor José Tadashi defende a liberação emergencial dos defensivos ainda não registrados no Brasil, mas que já se mostraram eficazes contra a Helicoverpa armigera em outros países. “Temos que aprovar as novas moléculas e fazer testes com as que já existem”, afirma.

 
Ele explica que a situação é “irreversível”, mas deve se acomodar. “O jeito é conviver. Não é o caso de se desesperar, mas tem que resolver o problema. Com muito custo, vai se chegar a um equilíbrio. Mas, até lá, temos que reconhecer que somos deficientes de infraestrutura para reagir a isso”, diz Tadashi.
 
O consultor sugere uma parceria com outros países, onde já foram feitas pesquisas e testes, além de um reforço na assistência técnica. Tadashi participa do Circuito Tecnológico Aprosoja, que começou nesta segunda-feira (14.10) por regiões produtoras de Mato Grosso e vai percorrer mais de 600 propriedades do estado.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink