Combinação de tecnologias deverá liderar mercado de cultivares transgênicas
CI
Agronegócio

Combinação de tecnologias deverá liderar mercado de cultivares transgênicas

Mais de 82% da área para safra de inverno deverá ser de OGMs
Por:
Com o aumento cada vez mais expressivo da adoção de híbridos transgênicos – com projeção de área semeada superior a 9,9 milhões de hectares para a safra 2012/13 ou mais de 67% da área total – a tendência é que as tecnologias de genes combinados (ou stack genes, que agrupam as características de resistência a insetos e tolerância a herbicidas) assumam a liderança como a principal estratégia usada para aumento da produção e da produtividade entre os produtores de milho no Brasil. Somente para a safra de inverno, que iniciará em março, a projeção é de que mais de 82% da área seja plantada com cultivares transgênicas.


Outra vertente que vem sendo anunciada por empresas multinacionais é o crescimento cada vez mais significativo da adoção de híbridos com a tecnologia que permite a ação contra pragas de solo combinada com a proteção de pragas aéreas e com a tolerância a herbicidas. Em 2011, além dessa tecnologia, agricultores dos Estados Unidos já usaram híbridos com a combinação de oito genes capazes de oferecer o mais completo controle de pragas aéreas e do solo, além da resistência a herbicidas.

E desde setembro deste ano, agricultores norte-americanos ainda vêm experimentando um material que possibilita a característica de tolerância a herbicidas com refúgio na sacaria. Dessa forma, o milho a ser semeado já possui uma porcentagem de sementes com a tolerância a herbicidas. O principal benefício é que o agricultor não precisa reservar parte da sua lavoura para o plantio de milho convencional. No Brasil, segundo pesquisadores, essas últimas tendências deverão se concretizar principalmente em lavouras da região Sul, em decorrência da estação de inverno ser bem definida.


FUTURO – Nesse cenário de buscas por aumentos de produção, produtividade e rentabilidade, multinacionais vêm anunciando para um futuro próximo o milho com tolerância à seca e com resistência a percevejos. A notícia foi divulgada durante o XI Seminário Nacional de Milho Safrinha, realizado em Lucas do Rio Verde-MT no final de novembro. Segundo a consultoria Céleres, especializada em agronegócio, a adoção da biotecnologia representa acréscimos de 32% em comparação com os 7,5 milhões de hectares semeados na última safra. Em relação às intenções de uso de transgênicos, “cerca de 60% dos agricultores pretendem plantar o milho RR (com resistência a herbicidas) na safrinha de 2012”, antecipa João Alberto Oliveira, gerente de tecnologia de uma multinacional participante do evento.

Segundo ele, os ganhos em produtividade proporcionados pela adoção da tecnologia RR chegam a 3%. “A maior vantagem é o controle das plantas daninhas. Comprovamos que a dessecação antecipada tem grande influência na produtividade”, defende. Diante de tantas projeções, o que já vem ocorrendo é uma intensa adoção dessas tecnologias, com 4,9 milhões de hectares que deverão receber cultivares com resistência a insetos na safra 2011/12, sendo que as cultivares com genes combinados já se aproximam da liderança, com 4,4 milhões de hectares. A previsão é de que os stack genes serão a principal tecnologia transgênica entre os produtores de milho no Brasil.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.